O ator Ben Affleck deu uma bombástica entrevista ao Los Angeles Times esta semana e falou sobre o fim de sua carreira como Batman e que Liga da Justiça foi o pior momento de sua carreira.

O veículo de Los Angeles, perguntou porque ele abandonou o capuz e Affleck disse com franqueza:

Ben Affleck como Bruce Wayne. Não irá mais dirigir.

Na verdade, Liga da Justiça foi o ponto mais baixo pra mim. Foi realmente uma péssima experiência por causa de uma confluência de coisas: minha própria vida, meu divórcio, estar fora de mim demais, as agendas conflitantes… e, então, a tragédia pessoal de Zack e as refilmagens. Foi mesmo a pior experiência. Foi horrível! Foi tudo aquilo e eu não gostei disso. Aquele se tornou o momento em que eu disse: “eu não irei mais fazer isso”. E nem é sobre Liga da Justiça ter sido tão ruim. Porque poderia ter sido qualquer coisa.

Não foi a primeira vez que Affleck falou sobre a situação, mas esta foi a mais esclarecedora. É preciso lembrar que, em meio ao processo de pré-produção e filmagens de Liga da Justiça, em 2016, Affleck estava tendo problemas com o álcool, chegou a ser internado em uma clínica de reabilitação e se divorciou da esposa, a atriz Jennifer Gardner com quem foi casado por muitos anos e tem filhos. As filmagens do filme da equipe da DC Comics foram caóticas como o HQRock já abordou em detalhes – e trouxeram um grande conflito de visões entre a Warner Bros. e o diretor Zack Snyder, que culminou praticamente em duas produções correndo paralelas: o diretor fazendo seu filme e o estúdio contratando uma equipe de roteiristas e um diretor “auxiliar” para suavizar o tom da película.

Em março de 2017, a filha de Zack Snyder cometeu suicídio e o estúdio aproveitou a pausa nas atividades para demitir o diretor e contratar Joss Whedon para produzir uma versão mais “apresentável” de Liga da Justiça, mas o tormento continuou: Whedon não se deu bem com o elenco – Ray Fisher (Ciborgue) o acusou de ser um diretor abusador e Gal Gadot (Mulher-Maravilha) também afirmou que sofreu assédio moral – e o cronograma foi uma loucura por causa das agendas dos atores. Whedon filmou seis semanas adicionais, mas o longa foi lançado em novembro daquele ano praticamente inacabado e foi um fiasco de crítica e bilheteria.

A soma de seus graves problemas pessoais com o inferno da produção do filme da equipe parece ter sido demais para Ben Affleck. O trágico é que o plano seria, após Liga da Justiça, Affleck – que é um diretor de cinema aclamado, com seus filmes premiados – iria estrelar, escrever e dirigir The Batman, o filme solo seguinte do homem-morcego. Mas aquele processo o fez desistir de tudo e aposentar sua capa e capuz, o que levou ao diretor Matt Reeves assumir o filme e realizar uma abordagem nova, desconectada do DCU com Robert Pattinson como o novo Bruce Wayne.

Especificamente sobre o não realizado filme do Batman, Affleck adicionou ao LA Times:

Eu olhei para quilo e pensei: “Eu não vou ficar feliz fazendo isso. A pessoa que faz isso deve amá-lo”. É melhor que você sempre queira fazer essas coisas, e eu provavelmente teria amoado fazê-lo aos 32 anos ou algo assim. Mas foi o ponto em que onde eu comecei a perceber que não valia à pena. É mesmo um benefício maravilhosos de reorientação e de recalibrar suas prioridades, uma vez que você começa a ficar mais preocupado com a experiência. Eu me senti mais confortável.

Quando o ator expõe seus motivos é impossível não concordar com ele, ainda que, do ponto de vista histórico, seja mesmo uma pena. Achamos que Ben Affleck fez um ótimo trabalho como Batman em Batman vs. Superman – A Origem da Justiça e que toda a lambança de Liga da Justiça não tem nada a ver com ele. A versão de Zack Snyder, lançada na HBO Max em 2020 redimiu bastante o filme da equipe, ainda que a Warner tenha optado por não seguir esse caminho e está redirecionando seu universo em uma nova abordagem.

Muitos apontam que The Flash, o filme solo do velocista escarlate, irá servir como um tipo de reboot do Universo DC nos cinemas e, por isso, contará com uma pequena participação de Ben Affleck como Batman, no que será a despedida de sua versão do personagem. Estranhamente, o longa trará outro homem-morcego – já que vai lidar com diferentes dimensões (ao estilo de Homem-Aranha – Sem Volta para Casa) – na pele da versão envelhecida de Michael Keaton, que interpretou Bruce Wayne nos filmes de 1989 e 1992. A imprensa especializada afirma que essa versão experiente do Batman é que irá aparecer em filmes futuros do DCU, como Batgirl. Será?

Quanto ao Bataffleck, além de sua vindoura despedida – que aparentemente será um papel bem pequeno – resta somente aproveitar o que já foi feito e pensar no potencial que teria sido desenvolver essa versão experiente e durona do Batman mais próximo das HQs já levado às telonas.