ruby-rose.cm.3216Foi anunciado oficialmente ontem que a atriz Ruby Rose (de Orange is the New Black e O Megatubarão) será Kate Kane, a Batwoman nas séries do Arrowverse, o conjunto de programas interligados exibidos pelo canal The C.W. nos EUA. A personagem estreará no crossover anual que conecta Arrow, The Flash, Supergirl e Legends of Tomorrow e deverá ganhar uma série própria em 2019.

Apesar de vários vilões do universo particular do Batman já façam parte das tramas daquelas séries, é a primeira vez que um herói do ciclo interno do cavaleiro das trevas faça uma aparição. Introduzir a Batwoman ao lado de Arqueiro Verde, Flash e Supergirl significa dizer que – sem sombras de dúvida – o Batman existe naquele universo.

Batwoman in the alley with robber by J H Williams IIINa verdade, o presidente do The CW, Mark Pedowitz, já garantiu que o Batman realmente existe naquele universo, apenas não foi mostrado ainda. Faz sentido, já que o Superman já apareceu em dois episódios de Supergirl. Bruce Wayne foi explicitamente citado em um episódio da 4ª temporada de Arrow, mas o homem-morcego só ganhou discretas referências nos programas até agora.

supergirl-and-superman-tvContudo, a introdução de Kate Kane, e ainda mais em uma série própria, terá que fazer referências mais fortes ao Batman e, por isso, são favas contadas até uma versão televisiva do personagem dar as caras. Talvez, seguindo o mesmo esquema feito em Supergirl, na qual após ser referenciado por toda a primeira temporada, o Superman finalmente surgiu nos dois primeiros episódios da 2ª temporada.

É sabido que a Warner tem muito receio em usar o Batman na TV, especialmente em programas de outros personagens – por isso nunca apareceu em nenhum deles. Mas colocar a Batwoman em ação traz a necessidade irremediável de fazer isso.

Batwoman, a série, será escrita por Caroline Dries (de The Vampire Diaries), que também será produtora executiva, ao lado de Greg Berlanti, Sarah Schechter e Geoff Johns. Nas HQs, Kate Kane é lésbica e o programa pretende manter essa abordagem, inclusive, escolhendo Ruby Rose, que é abertamente “fluida” em termos de sexualidade.