Foi divulgada o falecimento de Neil Peart, baterista do Rush, e também letrista de suas canções. O músico morreu no último dia 07, mas só agora a notícia foi divulgada. Ele estava lutando contra um câncer no cérebro há três anos, informa a Rolling Stone.

Neil Peart nasceu em 1952, na cidade de Hamilton, em Ontário, no Canadá, e se tornou um baterista conhecido por seu estilo floreado e incrivelmente preciso. Ele ingressou na banda Rush em 1974, após o trio canadense (os outros eram o baixista e vocalista Geddy Lee e o guitarrista Alex Lifeson) ter lançado seu primeiro álbum, e rapidamente impulsionou a sonoridade do grupo para algo mais elaborado, num meio caminho entre o hard rock e o rock progressivo.

Peart também virou o letrista da banda, com suas letras concentradas na temática de fantasia e ficção científica muito típicas dos anos 1970 nos primeiros álbuns do Rush. A partir do início dos anos 1980, Peart começou a focar suas letras mais no aspecto social, humanitário e existencial. Sua elogiada verve literária o levou a lançar sete livros (entre 1999 e 2016), a maioria focada em suas viagens de motocicleta por Estados Unidos, África e América do Sul, incluindo o Brasil.

O Rush lançou álbuns clássicos, como Fly By Night (1975), 2112 (1976), A Farewell to Kings (1977), Permanet Waves (1980) e Moving Pictures (1981) e ficou conhecida como uma banda de excelência técnica e sonoridade única, além de um sucesso entre o público roqueiro. Nunca uma banda das massas, o Rush sempre fez muito sucesso em sua terra natal, o Canadá, e seus primeiros álbuns circularam o Top50 das paradas dos EUA, o que era muito para uma banda de rock de sonoridade mais pesada e longas canções de mais de 8 ou 10 minutos. A fase mais popular do grupo se deu no início dos anos 1980, quando seus discos chegaram ao Top10 das paradas dos EUA e emplacaram canções de sucesso no rádio, como The spirit of the radio, Freewill e Tom Sawyer, refletindo a mudança da banda para faixas mais curtas e com maior apelo popular. Após ter sua fase áurea, o Rush se manteve ativo até 2015, totalizando 20 álbuns de estúdio lançados, e encerrou as atividades por causa dos problemas de saúde do baterista.

Nos últimos anos, a vida pessoal de Peart sofreu muitos revezes: sua filha Selena morreu aos 19 anos em um acidente de carro, em 1997; e sua esposa, Jacqueline Taylor, também morreu de câncer em 1998, levando o baterista a se “aposentar”, interrompendo as atividades do Rush. Após viajar pelos EUA de moto e escrever um livro sobre a experiência, Peart e o Rush retomaram a estrada e o estúdio em 2001. O músico conheceu a fotógrafa Carrie Nuttell e os dois se casaram, tendo uma filha, Olivia, em 2009.

Mas em 2015, Peart teve que se afastar de novo da música, com problemas no ombro e tendinite. Geddy Lee e Alex Lifeson alimentaram alguma esperança de que o Rush retornasse, mas Peart sempre insistiu que estava aposentado e se manteve fora dos holofotes, à exceção de seus livros.

Ele tinha 67 anos e morreu em Santa Monica, na Califórnia, nos EUA, onde residia há muitos anos.