Pink Floyd em sua formação clássica, nos anos 1970: Wright, Waters, Mason (acima) e Gilmour.

A banda britânica Pink Floyd, uma das mais importantes do rock clássico e, também, um dos maiores sucessos da indústria da música no século XX, relançará sua discografia em grande estilo. Todos os 14 álbuns da banda – lançados originalmente entre 1967 e 1994 – serão remasterizados (ou seja, com melhorias de som) e reunidos em uma Box-Set chamada jocosamente de Why Pink Floyd…?, que contará, ainda, com um livro de fotos inéditas.

Além disso, as três principais obras do quarteto – Darkside of the Moon (1973), Wish You Were Here (1975) e The Wall (1979) – ganharão tratamento diferenciado e terão, cada uma, um Box-Set próprio com faixas bônus, canções inéditas, takes alternativos, gravações ao vivo e vídeos, além do álbum original remasterizado, em um conjunto de CDs e DVDs.

Para cada uma das três obras, haverá dois tipos de pacote, o Experience e o Immersion. O primeiro, mais simples, para iniciantes, com apenas o álbum, livreto e bônus; e o segundo para os fãs, com tudo isso e muito mais extras.

Entre as novidades, há trechos de uma apresentação ao vivo da banda no Wembley Stadium, em 1974, inclusive, uma versão de 20 minutos da canção Shine on You Crazy Diamond. Na ocasião, o álbum Darkside of the Moon foi apresentado na íntegra e o comunicado dá a entender que o concerto estará também disponível na versão Immersion do álbum. Também há informações sobre vídeos do mesmo show.

Os 14 álbuns de estúdio do Pink Floyd em suas novas versões: faixas bônus e inéditas.

Este detalhe seria um dos maiores achados da nova coleção. Embora esteja disponível no mercado o filme Live at Pompeii, gravado em 1972, não existe nenhum material oficial de vídeo do Pink Floyd em sua fase áurea, ou seja, em seu período de maior sucesso, marcado justamente pelo período entre os três álbuns acima supracitados. Em 2000, a banda disponibilizou o álbum ao vivo Is There Anybody Out There?, com trechos das apresentações da turnê de The Wall, ocorridas entre 1980 e 1981, reunindo a formação clássicaRoger Waters (baixo e vocais), David Gilmour (vocais e guitarras), Richard Wright (teclados e vocais) e Nick Mason (bateria) – em seu último momento e com o conteúdo do álbum, mas apesar dos concertos terem sido todos filmados (na época, se pensava em transformá-los em um filme), nada foi comercializado nesse sentido.

No You Tube é possível encontrar enxertos desses concertos e outros momentos do Pink Floyd clássico ao vivo nos anos 1970, mas a ausência de material oficial da banda em seu período áureo em vídeo é algo alarmante. Há somente vasto material de performances da banda em sua fase final, nos anos 1980 e 1990, com Gilmour, Wright e Mason, mas sem Waters.

Capa de "Darkside of the Moon": maior obra-prima do Pink Floyd finalmente ganhará versões ao vivo com a formação clássica e vídeos.

Além do Box-Set, a banda também informou que será lançada a coletânea A Foot in the Door: The Best of Pink Floyd que reunirá – pretensamente pela primeira vez – as principais canções do grupo em um disco. Existem outras duas coletâneas da banda no mercado – A Collection of Great Dance Songs, de 1983; e Echoes, de 2001 – e ambas mesclam canções famosas com outras mais obscuras.

Por ocasião do anúncio do lançamento da caixa, o baterista Nick Mason deu uma entrevista à revista Rolling Stone, onde fala das dificuldades em finalizar este projeto – é pública as divergências entre ele e Gilmour de um lado e Waters de outro (Wright faleceu em 2008) – bem como da presença de material novo, incluindo algumas canções com o cantor e guitarrista Syd Barrett, primeira força criativa da banda, mas que foi expulso por causa de problemas sérios com as drogas e, pouco depois, abandonou a música, participando apenas dos dois primeiros álbuns do Pink Floyd: A Piper at the Gates of Dawn e Saucerful of Secrets, de 1967 e 1968, respectivamente. Mason afirmou:

[Haverá] algumas demos muito antigas, de 1966, que são extraordinárias. Coisas que gravamos no [estúdio] Broadhurst Gardens, só para poder participar do concurso [do jornal] Melody Maker. É incrível, especialmente por causa do Syd [Barrett], ouví-lo tão claramente, a maneira como ele estava tocando. Isso me trouxe memórias daquele primeiro ano, em que eu tinha acabado de conhecê-lo.

O Pink Floyd em sua formação original, em 1967, com Syd Barrett (direita). Material inédito também desta fase!

Para ser franco, Roger [Waters] preferiria que nós fingíssemos que nada mais aconteceu no Pink Floyd depois que ele saiu [da banda, em 1985], então sempre temos que passar por essa discussão. Mas depois disso, trabalhamos muito para ter certeza que chegamos na mixagem certa e que tudo ficou bom. Somos muito adultos às vezes! (…) [Tocamos] no Live 8 [em 2005] e foi fantástico. Ajudamos outras pessoas, mas também provamos que conseguíamos trabalhar juntos novamente. (…) Eu acho que isso poderia ser repetido em algum momento. Então vivo cheio de esperança, mas isso não é motivo para escrever no Twitter “Nick diz que a banda vai voltar!”.

Como podemos ver, apesar dos problemas internos, ainda há esperança de vermos Gilmour, Waters e Mason reunidos em um concerto, embora a ausência de Wright não possa ser contornada.

Quem sabe o sucesso deste lançamento não motiva uma reunião?

Why Pink Floyd…? vai ter um cronograma de lançamento por fases, iniciando em 27 de setembro com o Box, os arquivos para download e a versões Experience e Immersion de Darkside of the Moon; prosseguindo em 07 de novembro com a coletânea e as versões de Wish You Were Here; e terminando em 27 de fevereiro de 2012 com as versões de The Wall.

Quem é fã que prepare os bolsos!

[Quer saber mais detalhes sobre a discografia do Pink Floyd? Leia um post do HQRock comentando cada um dos discos da banda, clicando aqui!]