wonder-woman banner with swordAinda em meio às polêmicas de abuso sexual em Hollywood, a atriz Gal Gadot colocou mais tempero no caldo: segundo o Page Six, a israelense afirmou aos seus representantes que só retorna para Mulher-Maravilha 2 se o produtor Brett Ratner não estiver envolvido na produção. Ele sofreu várias acusações de abuso sexual e é um dos grandes pivôs da onda de denúncias.

Brett Ratner é o diretor de filmes como A Hora do Rush e ontem mesmo foi duramente criticado (e denunciado) pela atriz Ellen Page, recordando as gravações de X-Men – O Confronto Final, de 2006, na qual Page fez a estreia no papel da heroína Kitty Pryde. (Veja detalhes aqui!). Mas Ratner também atua como produtor, sendo o proprietário da RatPac-Dune Entertainment, que foi uma das financiadoras de Mulher-Maravilha.

Claro que tendo em vista todo o mal estar do processo, a Warner Bros., companhia mãe da DC Comics, não irá arriscar desperdiçar o sucesso de Mulher-Maravilha, cuja sequência já se encontra em pré-produção para lançamento em 2019. A diretora Patty Jenkins já confirmou o retorno e atualmente escreve o roteiro ao lado de Geoff Johns, o próprio presidente da DC Films. Porém, aparentemente, Gal Gadot ainda precisa renovar seu contrato que previa apenas três filmes, já gastos com Batman vs. Superman – A Origem da Justiça, Mulher-Maravilha e Liga da Justiça, que será lançado daqui há alguns dias.

Tendo em vista que Mulher-Maravilha é o longametragem melhor bem recebido por público e crítica da fase pós O Homem de Aço, e com uma trilogia solo planejada, além da planejada e inevitável sequência de Liga da Justiça e talvez até mesmo uma participação em Flashpoint, o filme do Flash que irá adaptar a saga homônima dos quadrinhos, na qual a princesa amazona tem uma participação importante; é muito provável que a Warner corte suas ligações com Brett Ratner e a RatPack e siga em frente.