Morreu nesta quarta-feira o cantor e compositor norte-americano Daniel Johnson, célebre e outsider ícone indie. Segundo um comunicado da família, o músico havia sido internado num hospital semana passada com mal funcionamento dos rins e voltou para casa na segunda-feira. Sua morte é tratada como por causas naturais.

Nascido em Sacramento, na Califórnia, em 22 de janeiro de 1961, Johnson se mudou com a família para West Virginia na adolescência e, depois, estabeleceu-se em Austin, no Texas.

Daniel Johnson sofria de esquizofrenia e bipolaridade e encontrou refúgio na música. Sozinho em sua casa, passou a gravar suas composições em um gravador portátil de fitas K7 e a reproduzi-las e distribui-las com seus amigos, tratando-as como álbuns. A primeira delas, Songs of Pain foi “lançada” em 1980.

O artista também fazia desenhos para ilustrar as “capas” e logo seus desenhos ficaram tão célebres como suas canções, e as artes foram expostas em galerias e museus do mundo e viraram camisetas.

Mas as dolorosas composições de Johnson – estruturadas de modo simples, formatadas apenas em voz e violão ou piano, com letras sobre a busca por amor ou afeição, bem como as agruras de uma mente atormentada, cantadas em uma voz infantil, criaram um apelo irresistível e as cópias começaram a circular de modo frenético entre os adeptos do indie rock e do college rock, ao ponto de que sua fita de 1983, Hi, How are You?, virar um tipo de hit no mercado alternativo e ser oficialmente lançada pelo selo independente Homestead.

Produzindo incessantemente, Johnson virou um objeto de culto nos anos 1990, quando inúmeros artistas famosos começaram a publicizar seu apreço ao rústico compositor, como Kurt Cobain (do Nirvana), Mike Watt, Sonic Youth. O cantor chegou a ser contratado pela grande gravadora Atlantic Records (casa do Led Zeppelin, por exemplo) e lançou o álbum Fun, em 1994, mas com seu público ainda restrito ao circuito underground, logo, ele voltou ao esquema independente de antes.

Outra leva de popularidade veio em 2005, quando foi lançado o documentário The Devil and Daniel Johnson, retratando sua biografia, o que resultou em suas canções serem regravadas por gente como Beck e Lana Del Rey.

Daniel Johnson lançou 18 álbuns, o último deles em 2010, e nos últimos anos diminuiu suas atividades artísticas, em parte por causa de problemas de saúde. Porém, ele ainda chegou a fazer uma grande turnê em 2017.

Segundo o comunicado da família, Johnson estava feliz por voltar para casa do hospital e aparentava estar bem. Na terça-feira à noite um cuidador chegou para fazer um check-up, mas o músico o dispensou. Ele foi encontrado sem vida pela família na manhã dessa quarta-feira.

Segundo o irmão dele, Dick, a família encontrou dezenas de fitas de canções que o músico não lançou. Daniel Johnson tinha 58 anos.