Syd Barrett: fundador e cérebro por trás do Pink Floyd em seu início

Foi lançada discretamente no fim do ano uma coletânea sobre a obra do genial Syd Barrett, o vocalista, guitarrista e compositor que fundou o Pink Floyd e foi expulso por causa de problemas com drogas e loucura.

Pouca gente sabe, mas houve uma época em que o Pink Floyd não era uma das maiores bandas do mundo, mas apenas um conjunto underground de Londres que gravava trabalhos altamente psicodélicos e de difícil digestão para o grande público.

Barrett se uniu ao seu amigo de Cambridge, no interior da Inglaterra, Roger Waters e ambos formaram o Pink Floyd em Londres em 1965, decididos a ser uma banda de r&b como os Rolling Stones. Mas o ambiente psicodélico da Swing London os influenciou a uma sonoridade mais experimental, com longas passagens instrumentais e as composições não-ortodoxas de Barrett.

A banda fez sucesso no circuito underground e foi procurada pela gravadora EMI, a mesma dos Beatles. Após dois singles de sucesso relativo, lançaram o álbum The Piper at the Gates of Dawn, em 1967, uma das obras mais interessantes da época e inteiramente composta por Barrett.

Pink Floyd Quintet
O Pink Floyd como quinteto, em 1968. Syd Barrett está no alto, com olhar distante.

No entanto, o excesso de drogas e uma pretensa propensão à loucura tornaram o comportamento do guitarrista totalmente errático e o impossibilitou de trabalhar. O Pink Floyd decidiu chamar outro colega de Cambridge, David Gilmour, para dar apoio às guitarras e vocais, pensando em manter Barrett como membro esporádico e compositor. O quinteto fez alguns shows e começou a gravação de Saucerfull of Secrets, seu segundo álbum, em 1968, mas a situação de Barrett piorou e ele terminou expulso.

Por isso, em Saucerfull of Secrets ele canta apenas uma canção, mas toca guitarra em várias outras, segundo a obra de Toby Manning, The Rough Guide of Pink Floyd.

Para compensar o ato, Gilmour e Waters se esforçaram para produzir um disco solo para o compositor, um trabalho que o primeiro definiu como “muito difícil”, tendo em vista o estado mental do amigo. Ainda assim, os dois álbuns resultantes, The Madcap Laughs e Barrett, ambos lançados em 1970, trazem momentos de uma genialidade vacilante.

As canções foram gravadas ao sabor dos acontecimentos, de acordo com o astral do guitarrista, de modo que não são tecnicamente perfeitas, mas talvez seja essa a sua melhor característica. Não são canções tradicionais e guardam algo que só podemos chamar de “uma beleza estranha”.

An Introduction to Syd Barrett
A capa da coletânea foi produzida por Storm Thorgerson, outro amigo de Barrett, Waters e Gilmour vindo de Cambridge. Ele fez a maioria das capas do Pink Floyd.

A coletânea An Introduction to Syd Barrett é a primeira do tipo a reunir material tanto de sua fase no Pink Floyd quanto dos discos individuais. Para aqueles que não se pautam por obviedades, é uma excelente pedida.

Aftermaths:

O Pink Floyd seguiu carreira sem Barrett e deixou de ser uma banda underground em 1973, com o sucesso sem paralelos de Darkside of the Moon. Mas o espectro do compositor continuou rondando a banda, pois a loucura se transformou em um dos pontos centrais da obra do conjunto e das letras de Roger Waters. O disco Wish You Were Here é uma homenagem da banda a seu fundador, inclusive na faixa Shine on your crazy diamond; e a biografia dele é estilizada no personagem central da ópera-rock The Wall de 1979.

Syd Barrett abandonou a musica definitivamente após seus dois discos solo e voltou para Cambridge onde viveu no anonimato até 2006, quando faleceu, vítima de diabetes.