Brian Wilson: cinebiografia pelo mesmo autor de “Eu Não Estou Lá”.

O fundador, líder e principal compositor da banda norteamericana The Beach Boys, um dos maiores sucessos do rock dos anos 1960, Brian Wilson terá sua vida transformada em filme. Não se sabe qual será a tônica da produção, que será tocada pela River Road Entertainment: poderá ser um documentário ou uma cinebiografia com atores.

O roteirista da produção será Oren Moverman, o mesmo da cinebiografia de Bob Dylan, Eu Não Estou Lá. Ele prometeu uma abordagem não usual ao filme. Em Eu Não Estou Lá, a vida de Dylan não é retratada diretamente, mas por meio de metáforas e com vários personagens diferentes manipulando aspectos específicos da personalidade do astro, com atores como Christian Bale (o Batman), Heath Ledger (o Coringa), Richard Gere e até Cate Blanchett.

Qual será a abordagem, agora, da vida e da loucura de Brian Wilson?

“Pet Sounds”: o melhor álbum dos Beach Boys, de 1966.

O compositor nasceu na Califórnia, em 1942, filho de Murrey Wilson, também compositor, de Hollywood. Na adolescência, Brian se uniu aos seus irmãos, Carl (guitarra) e Dennis (bateria) e fundou os Beach Boys, juntamente ao primo Mike Love (vocais) e ao amigo Al Jardine (guitarra). Com seu canto a várias vozes e falsetes, letras sobre garotas, carros velozes e praias e canções melodiosas, a banda começou a fazer sucesso na Califórnia já em sua estreia, em 1961.

Galgando lentamente as paradas nacionais, os Beach Boys se transformaram em um fenômeno após a Invasão Britânica, quando Beatles, Rolling Stones e companhia tomaram as paradas norteamericanas de assalto, em 1964. Emergindo como a “resposta americana aos Beatles”, os irmãos Wilson se transformaram em uma potência de vendas e passaram a emplacar dezenas de hits seguidos.

Para dar conta do novo status, Brian Wilson decidiu se afastar dos palcos e se dedicar exclusivamente ao processo de composição e gravação das músicas da banda, enquanto seus irmãos e outros membros prosseguiam fazendo shows pelo país. A tática deu certo e, entre 1965 e 1966, os Beach Boys alcançaram o ápice de sua produção e sucesso, culminando com o álbum Pet Sounds e o single Good Vibration.

Entretanto, o alto nível da produção dos Beatles (com os álbuns Revolver e principalmente Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band) mais uma mistura de estresse, estafa e abuso de drogas levou Brian a um colapso nervoso do qual nunca mais se recuperou. Interrompendo a gravação do álbum Smile, em 1967, ele se afastou da banda e caiu no ostracismo, enquanto seus irmãos e amigos tentavam levar adiante a banda e seu sucesso.

Brian Wilson (no alto à esquerda) com os Beach Boys em 1968: colapso nervoso.

Agora liderados por Carl Wilson, os Beach Boys até fizeram alguns trabalhos interessantes entre 1967 e 1972, mas jamais conseguiram voltar à popularidade e ao sucesso de outrora. Brian Wilson voltou a contribuir efetivamente com a banda em 1976, saindo até em turnê, mas não era mais o mesmo de antes, visivelmente abalado mentalmente pelo sofrimento que passou.

Nos anos seguintes, os Beach Boys se desintegraram, tendo que lidar com as mortes de Dennis Wilson por afogamento e de Carl Wilson por ataque cardíaco, embora ainda tenham lançado um último hit em 1989 com Kokomo.

Desde então, Mike Love controla o nome “Beach Boys” e continua excurcionando com alguns dos outros ex-membros da banda, enquanto Brian Wilson apresenta-se a solo. O músico chamou a atenção da mídia internacional ao lançar, em 2004, pela primeira vez, uma versão atual finalizada do álbum Smile, aquele que não terminou. O fato gerou até uma turnê mundial que passou pelo Brasil, naquele ano, com uma apresentação no Tim Festival.

Há alguns meses também se anunciou que as gravações originais de Smile, datadas de 1967, serão reunidas no lançamento da versão dos Beach Boys para o disco.