O The Wall Street Journal divulgou ontem uma reportagem sobre a venda da 21th Century Fox, informando que a The Walt Disney Company está negociando agressivamente para levar o pacote, oferecendo nada menos do que US$ 48,5 bilhões pela empresa. Os analistas esperam que o acordo seja fechado ainda este ano. Caso feito, é a abertura total do caminho para que os X-Men finalmente se encontrem com os Vingadores nos cinemas.

Segundo o TWSJ, embora a Disney esteja interessada no conglomerado de filmes e TV da Fox – que incluem as franquias de X-Men (incluindo Wolverine e Deadpool) e Quarteto Fantástico; e emissoras de TV como Fox, FX (que detém programas como Os Simpsons, Família da Pesada e Modern Family) e National Geography – que valem por si só US$ 15 bilhões, há um interesse enorme pelas outras propriedades do grupo, que incluem canais internacionais (como a India Star), uma boa porcentagem da Sky internacional e um terço do canal Hulu.

Uma das grandes questões, claro, é a unificação dos universos de X-Men e Vingadores. Já existem relatos na internet de que os atores da primeira franquia até seriam mantidos, porém, as histórias teriam que se alinhar às do Marvel Studios.

Todavia, há uma grande questão criativa no ar: o Marvel Studios irá encerrar seu primeiro grande ciclo agora em 2019, após 22 filmes em 11 anos. É bem provável que os atores principais, que interpretam seus personagens há tanto tempo, deixem seus postos e presidente do Marvel Studios, Kevin Feige, já disse em entrevista recente que o estúdio irá adotar um outro modelo dali em diante.

A cronologia do Universo Marvel dos Cinemas não contempla os X-Men, de modo que será preciso criar uma explicação para a fusão, algo que nos quadrinhos geralmente é realizado mediante eventos cósmicos que fundem universos ou realidades paralelas. Haverá algo do tipo no cinema? Vingadores 4, com uma grande batalha cósmica na qual Thanos reúne a Manopla do Infinito que pode alterar o tempo e o espaço, deixará aberta essa possibilidade?