infinity war thanos face

O volume de informações sobre a Comic-Con Experience, em São Paulo, foi tão grande que continuam chegando “notícias” mesmo uma semana depois. Uma questão que foi resgatada esses dias foi a declaração do presidente do Marvel Studios, Kevin Feige, sobre Thanos, o vilão de Vingadores – Guerra Infinita. No meio dos fãs há certa preocupação, porque existem muitas críticas a como são retratados os vilões no Universo Cinematográfico da Marvel, porém, o produtor procurou minimizar, afirmando que o titã louco será o maior vilão já visto nos cinemas da companhia.

À plateia da CCXP, por meio de videoconferência, Feige disse:

Vocês sabem, nós estamos apresentando Thanos desde o primeiro filme dos Vingadores. Lembre o fim de Os Vingadores, o final mesmo do filme, [quando] ele [Thanos] se vira em sua poltrona e você percebe que algo mal está vindo. Nós o estamos apresentando por anos e o problema é que quando você cria expectativa sobre algo por tanto tempo, você precisa entregar algo a altura. Então, nos primeiros cinco minutos de Guerra Infinita as pessoas irão entender porque Thanos é o maior e mais maligno vilão da história do Universo Marvel dos Cinemas.

O comentário é importante porque muitos fãs sempre criticaram a Marvel por fazer versões “fracas” de seus vilões nos cinemas. À exceção de Loki, que é amado pelo público, praticamente todos os outros oponentes receberam grandes críticas.

Eu diria que Ultron é bastante pertinente e fiel aos quadrinhos em Vingadores – Era de Ultron, e o Caveira Vermelha mostrou potencial em Capitão América – O Primeiro Vingador, porém, realmente, os Elfos Negros de Thor – O Mundo Sombrio, o Chicote Negro e o Mandarim em Homem de Ferro 2 e 3, respectivamente, Ronan em Guardiões da Galáxia, são alguns dos exemplos mal fadados do estúdio.

Outros são polêmicos, como Helmut Zemo em Capitão América – Guerra Civil: se por um lado o vilão é interpretado com convicção por Daniel Bruhl e se mostra alguém determinado, guiado pela vingança, mas não totalmente maligno; por outro lado, a caracterização no filme não traz praticamente nada a respeito do personagem original dos quadrinhos.

Thanos vai mobilizar dois filmes dos Vingadores que serão o fechamento de 11 anos e 22 filmes de história e precisa mesmo fazer jus a isso tudo. Material nos quadrinhos é o que não falta para retratá-lo de bom modo.

Nos cinemas, Thanos apareceu brevemente três vezes.

A primeira é a cena descrita por Kevin Feige. Ao final de Os Vingadores, descobrimos que Thanos (seu nome não é citado) é o responsável pelo exército Chitauri usado por Loki para invadir a Terra e a grande mente por trás de um plano de obter o Tesseract, que é uma das Joias do Infinito.

Depois, o titã louco aparece pela primeira vez com falas e um propósito um pouco maior – agora já interpretado por Josh Bolin – em Guardiões da Galáxia, na qual é revelado como pai adotivo de Gamora e Nebula e usa o líder Kree Ronan para obter outra das Joias do Infinito, a Orbe. Neste filme, ele é descrito como o maior assassino do universo e é temido por todos. Em determinada cena, Gamora aparece numa prisão e os outros prisioneiros comentam: “É a filha de Thanos!”.

A última vez foi na cena pós-créditos de Vingadores – Era de Ultron, na qual Thanos aparece com sua armadura e coloca a Manopla do Infinito em sua mão esquerda, com a qual irá coletar todas as Joias do Infinito.

O vilão não aparece fisicamente, mas é novamente citado em Guardiões da Galáxia Vol. 2, pois é parte fundamental da relação entre Gamora e Nebula, Esta última revela que cada vez que perdia uma luta-treino com a irmã, Thanos removia uma parte do corpo dela e a substituía por uma prótese cibernética, num processo extremamente doloroso. As duas terminam se reconciliando no final.

Vingadores – Guerra Infinita precisa fazer jus a Thanos ser tudo isso que foi dito dele e se mostrar como o mais perigoso inimigo já enfrentado pelos maiores heróis da Terra.