jimi_hendrix guitar burn
O ritual de queimar a guitarra: revolução na performance.

O lendário guitarrista norteamericano, Jimi Hendrix, morreu em consequência de uma overdose em setembro de 1970, encerrando um período de dois anos de frenéticas gravações que – em vida – não resultaram em álbum nenhum. Daí, o catálogo póstumo do maior guitarrista da história do rock sempre foi um prato cheio para ser explorado; resultando em literalmente dezenas de álbuns piratas a partir dos anos 1970. Na década de 1990, os familiares do músico conseguiram reaver o controle criativo da obra e, por meio da Experience Hendrix Records, vêm desde então relançando o material de modo oficial. Agora, o terceiro álbum de inéditas do músico, Both Sides of the Sky, chegará às lojas em março de 2018.

Segundo o site oficial do artista, Both Sides of the Sky é o encerramento da trilogia que reúne as melhores gravações inéditas de Jimi Hendrix – gravadas entre 1968 e 1970 – e traz 13 faixas, das quais 10 nunca foram ouvidas antes. O lançamento é uma parceria da Experience Hendrix com a Legacy Records e chega às lojas físicas e virtuais em 09 de março de 2018.

A discografia de Jimi Hendrix é um tanto confusa, mas podemos dizer que o guitarrista estreou oficialmente no mercado fonográfico com a banda The Jimi Hendrix Experience (ele próprio nos vocais e guitarra, Noel Redding no baixo e Mitch Mitchell na bateria) em 1966, após deixar os Estados Unidos natal e se lançar no circuito musical de Londres, na Inglaterra; e lançou seu primeiro álbum no ano seguinte: Are You Experienced?. Causando frisson e sucesso de imediato, a banda se tornou uma das mais quentes da Inglaterra, mas só estourou nos EUA após a incendiária apresentação do grupo no Monterrey Pop Festival, em junho daquele ano, o que foi capitaneado pelo lançamento do segundo álbum, Axis: Bold as Love. O Experience caiu na estrada e lançou seu último álbum em 1968, o aclamado disco duplo Electric Ladyland.

jimi hendrix live woodstock 1969
Hendrix ao vivo em Woodstock.

Com o fim do Experience, Hendrix passou a usar apenas o próprio nome e acompanhado por músicos como Billy Cox no baixo e o remanescente Mitchell na bateria. Em seguida, ele experimentou uma formação mais ampla de músicos – com um segundo guitarrista, um novo baterista e um jogo de percussões – com o qual se apresentou no lendário Festival de Woodstock, em agosto de 1969. Porém, não ficou satisfeito com aquela musicalidade.

Enquanto gravava dezenas e dezenas de novas canções em seu novo e moderníssimo estúdio em Nova York, o Electric Ladyland Studios, em busca de novos sons e desafios, Hendrix montou uma banda nova – a Band of Gypsys (como ele próprio no vocal e guitarra, Billy Cox no baixo e Buddy Milles na bateria e backing vocals) – com a qual fez algumas apresentações entre o fim daquele ano e o início de 1970 (e resultou em um disco homônimo, ao vivo, lançado ainda em vida). Depois, voltou a usar apenas o próprio nome e seguiu se apresentando e gravando até morrer de uma overdose de drogas e álcool em Londres em 18 de setembro de 1970, aos 27 anos de idade.

Suas apresentações fantásticas ao vivo renderam quase uma dezenas de álbuns desse tipo, com apresentações em festivais (Monterrey, Woodstock, Isle of Wight, Peace and Love) e em casas de shows e universidades. No estúdio, dois álbuns montados a partir de suas últimas gravações foram oficializados no fim dos anos 1990: The Firsts Rays of the New Rising Sun e South Saturn Delta (ambos lançados em 1997, juntamente com a reedição oficial de sua discografia pela Experience Hendrix) e reuniram a maior parte das canções já conhecidas via pirataria. São somados, agora, pela nova trilogia, que já teve Valleys of Neptune (2010) e People, Hell and Angels (2013) e o próximo Both Sides of the Sky.