doomsday clock cover 2 (luthor)
Capa de Doomsday Clock 02 traz o braço de Ozzymandias e Lex Luthor. Arte de Gary Frank.

A editora DC Comics está publicando a maxissérie Doomsday Clock (Relógio do Apocalipse, numa tradução literal) que tem como objetivo restabelecer um status no universo ficcional de seus personagens. A trama é uma espécie de sequência do especial Rebirth, que foi publicado em março de 2016. O grande trunfo da história – escrita por Geoff Johns (diretor criativo da DC Entertainment e ex-presidente da DC Films) e desenhada por Gary Frank é, pela primeira vez, unificar os tradicionais heróis da DC (Superman, Batman, Mulher-Maravilha…) com aqueles da maxissérie Watchmen. E após uma primeira edição introdutória, Doomsday Clock 02, lançada esta semana nos EUA, traz uma série de grandes revelações.

Uma das questões curiosas levantadas pela história é tornar (novamente) canônicas histórias como Batman – A Piada Mortal e Invasão, que aparentemente estavam fora da continuidade padrão da DC desde o reboot de 2011, chamado Os Novos 52, que criou uma “realidade” agora modificada por Rebirth.

Killing-Joke-1-1152x864
Detalhe da capa de “A Piada Mortal”: origem do Coringa. Arte de Brian Bolland.

A Piada Mortal é uma história publicada em 1987 e escrita por Alan Moore (o mesmo de Watchmen) e desenhada por Brian Bolland, na qual o Coringa foge do Asilo de Arkham e tenta provar a teoria de que basta um dia ruim para uma pessoa ir à loucura. Seu alvo é o Comissário Gordon e sua ideia de “dia ruim” é balear, sequestrar, torturar (e implicitamente estuprar) a filha do policial, a bibliotecária Barbara Gordon, que o vilão nem sabia ser a Batgirl. A história é inteligente e impactante e inspirou o filme Batman – O Cavaleiro das Trevas (menos na trama e mais no “espírito”), além de já ter ganho uma adaptação em desenho animado de longametragem, anos atrás.

batman-the-killing-joke torture scene by moore and bolland
A brutal cena com Barbara Gordon em A Piada Mortal. Arte de Brian Bolland.

Quando Moore a escreveu, pensou estar fazendo uma história não-canônica, ou seja, sua trama não seria válida para a cronologia do Batman, que tinha acabado de ser transformada com o primeiro grande reboot da DC: Crise nas Infinitas Terras. Porém, o sucesso da revista foi tão grande que a DC a incorporou à cronologia padrão, dando fim à carreira de Barbara Gordon como Batgirl – mesmo paralítica em consequência a esses eventos, ela adotou o codinome de Oráculo e passou a ser uma hacker que fornecia informações e auxílio aos heróis da DC e à Liga da Justiça.

dc-comics-invasion-tpb-1b-2nd-print
Capa da primeira edição de Invasion. Arte de Todd McFarlane.

Invasão é uma maxissérie publicada entre 1988 e 1989, escrita por Bill Mantlo (com ajuda de Keith Giffen) e com vários desenhistas, dentre os quais um iniciante Todd McFarlane (o criador de Spawn). A história era o primeiro grande evento pós-Crise e a trama trazia uma invasão alienígena dos Dominadores, dispostos a roubar o gene metahumano que os terráqueos tinham. A série não legou tantas consequências, mas foi a primeira vez que o termo metahumano foi usado nos quadrinhos da DC, servindo desde então para designar os superseres que habitam aquela realidade. Invasão já foi adaptada como live action no crossover de 2016 entre as séries de TV da DC no canal The C.W., com Arrow, Flash, Supergirl e Legends of Tomorrow. Outra versão também foi mostrada no desenho animado Young Justice. Porém, desde pelo menos o mini-reboot de 1994 chamado Zero Hora, não havia nenhuma evidência de que a história ainda era canônica, mesmo sendo lançada pós-Crise.

dc comics Invasion tv crossover
Cartaz do crossover na TV.

Em Doomsday Clock 02, dois pequenos eventos afirmam claramente que ambas as histórias estão de volta ao cânone alterado por Os Novos 52 e Rebirth. Primeiramente, Ozzymandias e Rorschach chegam à nossa realidade a bordo de uma versão da nave Arquimedes (a nave do Coruja) e caem exatamente no mesmo parque de diversões onde ocorreu a conclusão de A Piada Mortal. Depois, uma reportagem do jornal The Bulletin informa:

(…) O metagene é uma anomalia descoberta durante a invasão dos Dominadores e encontrada em mais de 12% da população (…) Um evento traumático ou um acidente potencialmente letal pode despertar o metagene, alterando a disposição genética de uma pessoa e causando o desenvolvimento de atividades superhumanas

dc comics Invasion 3
Os heróis da DC na arte de Todd McFarlane.

Isto nos traz à questão maior: após a indicação que o Dr. Manhattan é  responsável pelas alterações na realidade que geraram a realidade de Os Novos 52 em Rebirth e do surgimento do botom do Comediante na batcaverna – que desencadeia a saga The Buttom nas revistas do Batman e do Flash, além da aparição de Rorschach no fim de Doomsday Clock 01, a edição número dois traz uma enxurrada de aparições dos personagens de Watchmen.

doomsday-clock-confirms-killing-joke-1-1069848
O parque de A Piada Mortal em Doomsday Clock 02. Arte de Gary Frank.

Aos não-iniciados: Watchmen foi uma maxissérie em 12 capítulos publicada pela DC Comics entre 1986 e 1987, escrita por Alan Moore e desenhada por Dave Gibbons, mostrando um mundo caótico onde super-heróis teriam existido de verdade. Os personagens da saga eram baseados em velhos heróis da editora Charlton Comics, que então tinha sido comprada pela DC Comics. Porém, a visão de Moore era tão radical – e a DC tinha planos para aqueles personagens – que ficou decidido que o escritor poderia adaptar livremente os personagens para criar sua história, nascendo assim o mundo de Coruja, Rorschach, Ozzymandias, Espectral, Comediante e Dr. Manhattan.

watchmen1 comics
Os Watchmen na obra original: Dr. Manhattan, Comediante, Espectral, Ozzymandias, Capitão Vitória, Coruja e Rorschach. Arte de Dave Gibbons.

Na trama, os vigilantes uniformizados teriam surgido em 1939 como uma reação de policiais contra bandidos mascarados. De uma leva de vários heróis do tipo, surge um grupo de heróis em 1940 chamado The Minutemen (os Homens-Minuto, em tradução literal), com membros como Coruja, Espectral e Comediante. Porém, a empreitada não dura muito, por causa de problemas internos. No pós-guerra esses heróis terminam mortos ou aposentados.

Porém, no fim dos anos 1950, um acidente nuclear transforma um físico comum num ser hiperpoderoso, capaz de controlar as moléculas do seu corpo e do ambiente ao seu redor, batizado de Dr. Manhattan. Apesar de alguns dos velhos heróis terem algumas habilidades, Manhattan é o primeiro super-herói de verdade que surge no planeta.

Dr Manhattan Jonathan Osterman
O Dr. Manhattan.

A existência de Manhattan termina incentivando a formação de uma nova geração de heróis uniformizados que surge no fim da década de 1960, como Ozzymandias e Rorschach; além de um novo Coruja (fã do original) e uma nova Espectral (a filha da primeira heroína). Todos esses se unem ao veterano Comediante para formar um novo grupo de heróis chamado The Watchmen (os Vigilantes, mas também algo como Homens-Relógio no inglês), em 1970.

Porém, a tensão social dos EUA nos anos 1970 termina fazendo com que uma lei de 1976 tornando ilegal a prática dos heróis e todos se aposentam, à exceção de Rorschach, que se torna um fora da lei. Dr. Manhattan passa a colaborar com o Governo dos EUA em pesquisas científicas, o Comediante continua agindo como um agente secreto a serviço da CIA e Ozzymandias usa sua inteligência acima do normal para virar um rico empresário.

watchmen comedian close up
A morte do Comediante dá início à trama.

Tudo isso é narrado em flashbacks, porque a trama propriamente dita de Watchmen inicia em 1985, quando o Comediante é assassinado por um atacante misterioso. Ao mesmo tempo em que EUA e União Soviética estão prestes a iniciar uma guerra nuclear, Rorschach investiga o crime e descobre haver uma conspiração por trás que quer a morte dos antigos heróis. O desencadear dessa trama leva à reunião de parte da equipe para combater um traidor em suas fileiras, que tem um plano mirabolante de causar uma grande tragédia.

watchmen heroes
Watchmen: obra-prima de Zack Snyder.

Watchmen fez um enorme sucesso, é considerada a melhor história em quadrinhos de todos os tempos, ajudou a dar início à Era Sombria dos quadrinhos, sendo apreciada inclusive por críticos de literatura séria. Até bem pouco tempo, a DC mantinha a história como um universo paralelo ao Universo DC, sem nenhum tipo de conexão. Mas isso mudou a partir de 2009, quando a revista foi adaptada como um longametragem dirigido por Zack Snyder (de Liga da Justiça), e dois anos depois, ganhou uma série de revistas “prelúdio” chamada Before Watchmen (Antes de Watchmen), que exploram os eventos que são mostrados apenas rapidamente nos flashbacks da história.

Before-Watchmen-group
Watchmen na recente arte de Lee Bermejo.

Essas informações são importantes para o que ocorre em Doomsday Clock 02: há um novo Rorschach e ele e Ozzymandias chegam ao mundo dos heróis da DC. Este explica como conseguem fazer isso: usam uma adaptação da nave do Coruja para manipular a energia do Dr. Manhattan (uma tecnologia que Ozzymandias já usou na história original) e viajar pelo tempo-espaço, seguindo uma trilha de partículas deixada pelo poderoso ser.

legiao_tdyp0wvhci9nkzsraduob7fqfpbugmeo4wx5en3lh11159171284.jpg
Página de Doomsday Clock 02, com Rorschach, Ozzymandias e Lex Luthor…

Ozzymandias e Rorschach criam uma teoria de que o Dr. Manhattan está escondido na Terra do Universo DC, agindo disfarçadamente como um herói. Também é descoberta uma conspiração do Governo dos EUA que cria metahumanos em laboratório para usá-los depois para seus próprios fins, sendo o Metamorfo (ex-membro da Liga da Justiça nos anos 1980 e 90) um desses agentes secretos.

Por fim, há um encontro bombástico entre os dois seres mais inteligentes de cada um dos universos: Ozzymandias e Lex Luthor, que travam um debate, mas são interrompidos por um tiro destinado ao primeiro, mas termina acertando o segundo. Então, logo se revela que o atirador é ninguém menos do que o Comediante, que de algum modo está vivo e quer vingança pelos feitos de Ozzymandias em Watchmen.

legiao_cuohcdpirtwlhj2krv_5bmtul8yidg7wqbsvmqz0ya-1141261984.jpg
… que leva um tiro de um renascido Comediante. E o encontro de Batman e Rorschach. Arte de Gary Frank, texto de Geoff Johns.

Por fim, a história termina com o bombástico a ansiosamente aguardado encontro dos dois maiores linhas duras dos dois universos: Batman e Rorschach.

Geoff Johns é um escritor que tem grandes histórias em seu currículo, especialmente com o Superman (O Último Filho, Novo Krypton, A Guerra dos Supermen, Origem Secreta, Brainiac) e foi o responsável por transformar o Lanterna Verde em um fenômeno de vendas na primeira década do século XXI. A julgar pelo o que estamos vendo, Doomsday Clock (apesar das imensas reservas quanto a usar os personagens de Watchmen) está entregando uma trama realmente muito interessante.

Será que o Dr. Manhattan é mesmo o criador do Universo DC como especulam alguns fãs?