ava-duvernay
Ava DuVernay vai dirigir filme dos Novos Deuses.

Os rumores começaram rápido esta semana e dois dias atrás foram confirmados: a diretora Ava DuVernay (de Selma – A Luta pela Igualdade e Uma Dobra no Tempo) irá dirigir um filme sobre os Novos Deuses, universo de personagens cósmicos criados por Jack Kirby para a DC Comics. Também foi confirmado que o roteirista será Kario Salem (de Tudo por um Sonho e A Cartada Final).

Foi uma grande notícia, afinal, Novos Deuses é uma história mitológica impressionante, cheia de grandes personagens, conceitos enlouquecedores e um visual arrebatador! Foi a grande criação autoral de Jack Kirby, desenhista mais famoso por ter criado o Universo Marvel ao lado de Stan Lee.

Ava DuVernay é uma ótima diretora e chamou bastante atenção por seus dois filmes citados, com obras de cunho social e político fortes. A diretora, inclusive, foi a primeira escolha da Marvel para dirigir Pantera Negra, mas as partes não chegaram a um acordo sobre a história e o filme de T’Challa, rei de Wakanda, terminou nas mãos de Ryan Coogler e virou um fenômeno na bilheteria. Não à toda, a concorrência estar de olho nela também.

Fazer um filme sobre os Novos Deuses também dá ótimas pistas de quais os caminhos quer percorrer a DC Comics. Após o fracasso retumbante de Liga da Justiça nos EUA (lembrando outra vez, o filme foi muito bem no restante do mundo, mas naufragou completamente na terra-natal) e o descontentamento geral com o Universo DC dos Cinemas, que com uma penca de filmes (Superman – O Homem de Aço, Batman vs. Superman – A Origem da Justiça, Esquadrão Suicida e Liga da Justiça) só conseguiu agradar público e crítica com o longa solo da princesa amazona – que por sinal, foi dirigido por uma mulher. [Outro detalhe curioso de dança das cadeiras: antes do megahit com Mulher-Maravilha, a diretora Patty Jenkins quase comandou Thor – O Mundo Sombrio para a concorrente Marvel].

Fazer Novos Deuses mostra que a DC está disposta a alargar as fronteiras de seu universo cinematográfico e ficar menos dependente do núcleo central da Liga da Justiça que, por uma série de razões, não conseguiu emplacar nesta década.

STAN-LEE-E-JACK-KIRBY early 1960s
Stan Lee e Jack Kirby nos anos 1960, quando criaram o Universo Marvel.

Jack Kirby e Stan Lee criaram o universo Marvel entre 1961 e 1970, com o segundo criando histórias, escrevendo roteiros e o segundo também criando conceitos e desenhando. Das mãos habilidosas de Lee e Kirby saíram quadrinhos como Quarteto Fantástico, Hulk, Thor, Homem de Ferro, X-Men, Vingadores e as aventuras solo do Capitão América. Personagens coadjuvantes que depois brilhariam com luz própria, como Pantera Negra, Surfista Prateado e Nick Fury também foram criados pela dupla na revista do Quarteto.

jack kirby selfportrait
Kirby e suas criações na Marvel.
Thor_1967-10 vs loki
Thor versus Loki, na arte de Jack Kirby.
red skull vs captain america by jack kirby tales of suspense 66
O Caveira Vermelha versus Capitão América na arte de Jack Kirby.

Kirby era fascinado por mitologia, por isso, se interessava muito em trabalhar o lado mais mitológico do Universo Marvel, desenvolvendo conceitos como o de Galactus, o devorador de mundos; os Inumanos; e, claro, todo o mundo ao redor de Thor, baseado na mitologia nórdica.Na revista do deus do trovão, Kirby criava as histórias e as desenhava, enquanto cabia a Lee escrever os diálogos. Mas na medida em que os anos 1960 avançavam e Stan “The Man” ia ficando cada vez mais famoso, Jack “The King” começou a ficar reticente em relação ao colega.

jack kirbyand art expose
Kirby nos anos 1970.

Por fim, Lee foi ficando cada vez mais ausente da redação da Marvel (ele também era o editor-chefe), pois ficava viajando pelos EUA dando conferências em universidades e negociando contratos com estúdios de TV e cinema, de fabricantes de brinquedos e outros licenciadores; e a relação entre a dupla ficou mais distante. Enfrentando diversos problemas com a direção empresarial da Marvel – particularmente quanto à devolução das artes originais – Kirby terminou pedindo demissão em 1970.

superman-by-jack-kirby (jimmy olsen and young legion)
Superman na arte de Jack Kirby.

O artista aceitou uma velha oferta da DC Comics de se mudar para lá e ter autonomia total para tocar seus próprios projetos. Kirby foi. Para esquentar os leitores, o artista assumiu a revista secundária Superman’s Pal Jimmy Olsen, que até então tinha foco no fotógrafo atrapalhado que era o melhor amigo do homem de aço, vivendo aventuras sem noção; mas Kirby trouxe todo um glamour, drama e complexidade à trama, que focava no Superman descobrindo a ação de uma alienígena chamado Darkseid na Terra, ao mesmo tempo em que este se ligava ao uma conspiração que envolvia o (velho herói da DC) Guardião (criado pelo próprio Kirby na década de 1940 e trazido de volta) e o misterioso Projeto Cadmus.

New Gods poster (for reprint mini-series)
Cartaz de 1971 anuncia o lançamento de Novos Deuses: o fim do futuro criado por Kirby (numa alusão à criação da Marvel Comics 10 anos antes).

Mas era apenas o aperitivo: em 1971 estreava a revista New Gods, que apresentava seu conceito pleno, mais tarde conhecido como O Quarto Mundo de Kirby: depois que os velhos deuses morreram no Ragnarok, surgiram os Novos Deuses! Era uma analogia à história que Kirby pretendia desenvolver na Marvel: sua última história com Thor foi justamente o Ragnarok, o apocalipse da mitologia nórdica, a morte dos deuses! A nova HQ explicava que das cinzas do tempo antigo surgiu o novo, com dois planetas-gêmeos, Nova Gênese e Apokolips, um guiado pela luz, o outro pelas trevas. O primeiro liderado pelo Pai Celestial; o segundo pelo maligno Darkseid.

new goods jack kirby ragnarok
Cena do Ragnarok contada em Novos Deuses por Kirby. Esta imagem foi divulgada no Twitter por Ava DuVernay, confirmando seu envolvimento no filme.

Num acordo para garantir a existência da realidade, os dois líderes trocaram seus filhos, para que cada um vivesse no planeta do outro, motivando assim, a guia principal da história. O segundo filho de Darkseid, Órion (irmão de Calibak) é entregue e criado pelo Pai Celestial em Nova Gênese, enquanto um misterioso bebê teria sido entregue pelo Pai Celestial ao vilão, mas a identidade deste permaneceu muito tempo em segredo.

New-Gods-v1-06b
Órion (à esq.), apesar de ser filho de Darkseid, é o grande herói dos Novos Deuses.

Darkseid, por sua vez, queria encontrar a Fórmula Anti-Vida, uma equação que erradicaria a vida da existência. Órion é o grande herói da trama, destinado a combater Darkseid e seus asseclas, como Desaad e a Vovó Bondade, a líder das Fúrias. Outro herói é o Sr. Milagre, o rei do escapismo, que fugiu de Apokolips e veio à Terra, onde assumiu a identidade de Scott Free e se tornou um herói, depois, se unindo à esposa, Grande Barda, uma dissidente das Fúrias. Os Novos Deuses se desenvolveram como uma grande saga contada em três revistas mensais: New Gods, Mr. Miracle e Forever People; mas a empreitada durou apenas dois anos, com a primeira e a última tendo 11 números cada, e a do meio, 18.

MisterMiracle1cover1
O Senhor Milagre, maior sucesso do Quarto Mundo.
Jack-Kirby-New-Gods 01 and forever people 01
As capas das primeiras edições de New Gods e Forever People.
jla-strength-in-numbers3
Grande Barda e Órion juntos à Liga da Justiça nos anos 2000. Arte de Howard Potter.

Os conceitos complexos e extremos de Kirby não cativaram o público e toda a empreitada foi cancelada em 1973. Mas felizmente, os personagens permaneceram e foram aproveitados pelo Universo DC tradicional, ao ponto de que Darkseid virou o maior vilão do universo da editora e os coadjuvantes dos Novos Deuses continuaram povoando revistas como a da Liga da Justiça. No futuro, outros artistas visionaram prosseguiram o material de Kirby, adicionando ou desenvolvendo seus conceitos, como John Byrne na empreitada Kirby’s Fourth World, de 1987 (trama na qual finalmente se revelou que o Sr. Milagre era o filho perdido do Pai Celestial – algo deixado apenas subentendido pela obra original), e o radical Grant Morrison em Crise Final, de 2008-2009, com arte de J.G. Jones.

DC final-crisis-cover with darkseid
Darkseid numa capa de Crise Final. Arte de J.G. Jones.

Como o leitor mais sagaz já deve ter percebido, a intenção do Universo DC nos Cinemas era, desde o início, se sorver desse rico mundo, pois Darkseid é insinuado como uma ameaça futura em Batman vs. Superman – A Origem da Justiça; e o vilão de Liga da Justiça, Steppenwolf (Lobo da Estepe), vem de Apokolips e nada mais é do que um lacaio do grande vilão. Mas os produtores perderam a mão e não souberam aproveitar a oportunidade de apresentar Darkseid e toda a sua glória horripilante já no filme da equipe, e entregaram um produto menor.

justice league banner by jim lee new 52
Banner da Liga da Justiça contra Darkseid na arte de Jim Lee.