Um notícia inesperada foi divulgada ontem: o The Cavern Club, o popular pub britânico da cidade de Liverpool, que ficou famoso como a “casa” dos Beatles, irá ganhar uma filial no Brasil. O próprio site oficial do local divulgou que pretende abrir uma réplica em São Paulo ainda este ano.

A novidade foi anunciada por Jon Keats, o administrador do Cavern em um evento especial:

O Brasil é fervilhante de fãs dos Beatles, e todos os anos damos boas-vindas a milhares de visitantes do Brasil aqui na Mathew Street [a rua onde fica o Cavern]. Durante a a International Beatleweek [evento anual que ocorre em agosto em Liverpool para celebrar os Beatles e tem o Cavern como epicentro de um concurso de bandas], nós trazemos um monte de bandas brasileiras brilhantes que tocam Beatles, então, estamos absolutamente maravilhados em criar essa nova ligação entre Liverpool e o Brasil.

As pessoas envolvidas [no novo empreendimento] têm sido amigos próximos do Cavern por 20 anos e sabemos que está em boas mãos. Estamos ansiosos para firmar mais amizades entre Liverpool e o Brasil.

Como se vê, o anúncio dá a entender que o Cavern está disposto até a criar outras filiais pelo país, o que é compreensível até certo ponto, já que o Brasil tem dimensões continentais muito diferentes da Inglaterra.

Não é a primeira vez que o Cavern apadrinha uma filial em outro país, contudo: Buenos Aires tem sua versão do Cavern já há alguns anos.

Inaugurado como uma casa de jazz em 1957, o The Cavern Club era um pub subterrâneo (dois andares baixo do solo) originalmente construído para ser um armazém de cereais e se tornou um ponto de encontro da juventude de Liverpool, com apresentações musicais diárias na hora do almoço e shows noturnos às sextas e sábados. Ele fica na Matthew Street, uma ruazinha no Centro da cidade, próxima a Albert Docks.

Os Quarrymen em 1957, ainda antes da entrada de McCartney e Harrison.

Os Beatles tocaram lá pela primeiríssima vez em 1958, quando ainda se chamavam The Quarrymen, a banda de Skiffle que John Lennon fundara dois anos antes, mas já tinham, além de Lennon, Paul McCartney e George Harrison, com todos tocando violões.

Os Quarrymen em 1958.

O Skiffle era uma versão do blues rural dos EUA, acrescido de toques da música folk irlandesa e escocesa tipicamente britânica; mas para jovens como os futuros Beatles, era a única ponte existente com o rock. Economicamente impedidos de ter os instrumentos elétricos e a amplificação do rock, eles tocavam o Skiffle, que era acústico e feito com instrumentos improvisados, mas com um repertório de rock and roll, com Elvis Presley, Little Richard, Chuck Berry e Buddy Holly.

Como o Skiffle tinha parentesco com o Jazz, os Quarrymen conseguiram tocar algumas vezes no Cavern em 1958, mas logo o proprietário e o público perceberam que eles eram uma banda de rock disfarçada e os expulsaram.

Mas não demorou muito e o The Cavern Club deixou o jazz de lado e abraçou a nascente onda do novo rock britânico a partir de 1960, quando a banda Rory Storm and the Hurricanes (cujo o baterista era Ringo Starr) fez o primeiro show de rock no pub. Os Beatles tocaram pela primeira vez usando esse nome em fevereiro de 1960 e, com sua performance energética, dois vocalistas bons e carismáticos – John Lennon e Paul McCartney – e suas roupas de couro preto, rapidamente se tornaram a banda oficial da casa, tocando todos os dias na hora do almoço e, quando possível, também no sábado à noite.

Paul McCartney e John Lennon em suas roupas de couro no Cavern Club.

Os Beatles realizaram aproximadamente 292 apresentações no Cavern até abril de 1963, quando o sucesso nacional e internacional levou o grupo para espaços maiores. Os Beatles fizeram um show de despedida no Cavern em 03 de agosto de 1963, quando She loves you já era um sucesso estrondoso em toda a Europa.

Depois da “partida” dos Beatles, o Cavern continuou sendo o epicentro musical de Liverpool e grandes artistas dos anos 1960 tocaram por lá, como Eric Clapton (com os The Yardbirds, em 1964) e o The Who (em 1965).

Os Beatles no The Cavern Club, em 1962.

Sem os Beatles, o The Cavern Club prosseguiu em atividade e mudou de proprietário pela primeira vez em 1966, quando ampliou suas instalações para os edifícios vizinhos (incluindo um café no nível térreo); mas foi comprado pela British Railways em 1973 e parcialmente demolido para a construção de um tubo de ventilação para uma nova linha do metrô de Liverpool. O duto nunca foi construído e o porão em que o clube ficava não foi destruído (apenas os níveis superiores do prédio).

O Cavern chegou até a ganhar uma réplica construída do outro lado da rua, mas um grupo de investidores comprou o antigo sítio e reconstruiu o Cavern em seu local original, no lado direito da Matthew Street, usando os mesmos tijolos de antes, e o clube foi reaberto ao público em 1984.

Desde 1992, uma empresa chamada Cavern City Tours, especializada em turismo relacionado aos Beatles, é proprietária do lugar, que continua em plena atividade, tanto com bandas covers dos Beatles, como antigos músicos da cena beat de Liverpool e artistas renomados da atualidade.

A réplica do lado esquerdo da rua também se mantém aberta, com o nome de Cavern Pub, não é tão profunda no solo quanto o original e é mais espaçoso, destinado a shows maiores. O lugar também exibe instrumentos musicais de artistas que se apresentaram no Cavern, como guitarras de Alex Turner (Arctic Monkeys) e David Gilmour (Pink Floyd).

Desde então, artistas como Oasis, Arctic Monkeys e Adele fizeram shows no Cavern, e o ex-beatles Paul McCartney se apresentou no lugar em 1999 e em julho de 2018.