O cantor e compositor David Crosby é um dos maiores nomes do rock made in USA, tendo sido parte de três bandas de enorme sucesso e influência: The Byrds, Crosby, Stills and Nash e sua variante Crosby, Stills, Nash & Young. Mas igual ao seu talento é sua capacidade de arrumar confusão. Divulgando um documentário autobiográfico, Crosby recentemente falou (via Ultimate Classic Rock):

David Crosby nos anos 1970, tempos de Crosby, Stills, Nash & Young.

Eu ainda tenho amigos, mas todos os caras com quem diz música sequer falam comigo. Um deles odiar as minhas entranhas seria um acidente. Mas [Roger] McGuinn, [Graham] Nash, Neil [Young] e Stephen [Stills], todos desgostam de mim enormemente. Eu nem mesmo sei como encarar isso.

Stephen Stills, David Crosby, Graham Nash e Neil Young no palco em 1974.

De fato, nos últimos anos, os problemas de Crosby com seus ex-companheiros Stills, Nash e Young são bem conhecidos. O bigodudo falou mal da esposa de Neil Young e este rompeu relações. E até Nash – aquele que mais tempo manteve parceria com o outro (a dupla até apareceu no álbum On a Island, de David Gilmour, em 2006, e fez alguns shows da turnê no ano seguinte) – também já disse que irremediavelmente encerrou a amizade com Crosby.

Porém, uma fagulha de esperança surgiu em Roger McGuinn, ex-parceiro de Crosby nos The Byrds. O guitarrista escreveu no Twitter uma mensagem direta a Crosby:

Hey, @davidcrosby, você dizendo que eu não falo com você e que te odeio, isso não é verdade.

A mensagem foi respondida por Crosby:

Obrigado, Roger… Devo tê-lo confundido com esses outros caras. Então, topa fazer um par de apresentações dos Byrds? Eu apenas faço as harmonias [vocais]… Sem falar?

Crosby e McGuinn hoje.

Como se vê, Crosby aproveitou para cavar uma reunião dos Byrds, que não ocorre desde 2000. Será que McGuinn aceita?

Hillman, Crosby (em pé) e McGuinn nos Byrds, em 1965. Mais Gene Clark (em pé) e Michael Clarke.

O recentimento de Crosby, neste caso, parece apontar para algo que ocorreu no ano passado: em outubro de 2018, McGuinn e o baixista Chris Hillman se uniram para celebrar o álbum Sweetheart of The Rodeo, que os Byrds lançaram em 1968, mas quando Crosby já tinha saído do grupo e substituído por Gram Parsons, cuja influência foi seminal para transformar tal disco no marco zero do country rock.

Crosby aparentemente não entendeu a celebração e na época reclamou de não ser chamado para aquela “reunião” dos Byrds. Na época, Hillman falou à Billboard:

Ele teve algum tipo de informação equivocada e pensou que estávamos saindo [em turnê] como os Byrds. Ele escreveu para Roger: “estou profundamente chateado”, e nós dois escrevemos separadamente: “não, não, não, isto é o disco Sweetheart. Não é uma reunião dos Byrds. Estamos apenas fazendo este álbum de 50 anos atrás ao qual você não esteve envolvido“.

Ainda assim, o antigo baixista dos Byrds quis deixar claro, naquela ocasião, que gostava de Crosby:

Ele ainda é um maligno bad boy, mas eu me importo demais com Dave.

Quem sabe com as trocas de “carinho” entre Hillman e McGuinn e Crosby realmente não geram uns shows dos Byrds? Afinal, o trio representa 3/5 do quinteto original que estreou em 1965 e rodou o mundo com sua maravilhosa versão de Mr. Tambourine man de Bob Dylan. Os outros dois (o vocalista Gene Clark e o baterista Michael Clarke) estão mortos.

Pelo menos, é uma reunião bem mais provável do que a de Crosby, Stills, Nash & Young.

David Crosby nasceu em Los Angeles, em 1941, e começou a carreira musical em 1960, fazendo duo com o cantor Terry Callier, depois com a banda folk Les Baxter’s Balladeers, em 1962; tentou emplacar a carreira solo em 1963; e terminou fundando o The Byrds, em 1964. Crosby foi um dos principais vocalistas e compositores dos Byrds até 1967, quando se desligou do grupo e se uniu a Stephen Stills (do Buffalo Springfield) e Graham Nash (do The Hollies), formando o Crosby, Stills and Nash; que depois com a adesão de Neil Young virou Crosby, Stills, Nash & Young, que fez muito sucesso e tocou em Woodstock. O quarteto encerrou as atividades em 1971, mas se reagrupou em 1974 para uma grande turnê.

Dali em diante, Crosby atuaria especialmente ao lado de seus companheiros, seja em dupla com Graham Nash, seja em reuniões do Crosby, Stills and Nash e mais raramente do quarteto com Young. Embora Crosby tenha lançado álbuns solo em 1971 e 1989, foi somente a partir de 1995 que ele realmente abraçou uma carreira contínua sozinho, lançando uma sequência de discos.