Os arquivistas do Warhol Museum descobriram uma fita com 12 canções inéditas de Lou Reed, lendário compositor que foi líder da banda The Velvet Underground e criou uma carreira solo aclamada, sendo um dos padrinhos do movimento punk. O achado é importante por se tratar de material totalmente inédito do músico, mesmo que não exista por enquanto a possibilidade do público vir a conhecer essa obra.

Lou Reed meio drag nos anos 1970.

O museu em homenagem ao artista plástico Andy Warhol fica na cidade de Pittsburgh, na Pensilvânia, nos EUA, e celebra a arte de um dos nomes mais famosos da pop art. Além disso, Warhol foi o responsável por alavancar a carreira de Reed, ao patrocinar a banda The Velvet Underground e produzir o seu primeiro álbum, lançado em 1967. Reed e Warhol tiveram uma relação próxima e algo turbulenta, mas ainda assim, pelo o que os pesquisadores puderam levantar, Reed gravou o que pode ser considerado como um novo álbum inteiro em homenagem ao artista em 1975, enviando-o em uma fita K7.

A fita foi encontrada pela pesquisadora musical da Cornell University, Judith Peraino, que disse ao The New York Times achar que a fita foi gravada como uma gravação demo, usando um único microfone aberto na sala de seu apartamento, tocando apenas com voz e violão. A gravação consiste no Lado B da fita e traz a inscrição The Philosophy Songs (From A to B and Back Again), que é claramente uma referência ao livro de Warhol, The Philosophy of Andy Warhol (From A to B and Back Again). O Lado A da fita traz uma série de gravações profissionais, tiradas de uma mesa de som, de alguns concertos que Reed realizou naquele mesmo ano de 1975.

Andy Warhol e Lou Reed.

As canções acústicas e inéditas do Lado B são de algum modo conectadas ao artista que atuou quase como um mentor de Reed no início de sua carreira. Há duas faixas sobre drag queens, outra sobre o atentado que Warhol sofreu em 1968, e uma sobre sexo, arte e fama. Com 12 canções, funciona mesmo como um álbum inédito de Reed, que teve prolixa carreira.

Os pesquisadores da Cornell University e do Warhol Museum, contudo, não são otimistas quanto à possibilidade do material vir à tona ao grande público, tendo em vista a provável contenda jurídica que ocorreria entre os detentores dos espólios de Reed e Warhol, além do museu e gravadoras.

O Velvet Underground, com Reed (centro), Nico (esq.) e Warhol ao lado dela.

Lou Reed nasceu no Brooklyn, em Nova York, em 1942, e foi um deslocado desde o início, pois era bissexual, o que levou seus pais a interná-lo em uma clínica psiquiatra onde recebeu um tramamento com eletrochoques. Perseguiu a carreira musical e após até trabalhar como compositor profissional, terminou fundando a banda The Velvet Underground, em 1965, que chamou a atenção no submundo artístico de NYC e foi apadrinhada por Andy Warhol, compondo sua Factory de artistas. Warhol financiou e produziu o primeiro álbum do grupo, Velvet Underground & Nico, em 1967, pela gravadora Electra, embora não tenha vendido quase nada.

As composições de Reed abordavam o submundo de NYC, falando de prostitutas e drogas pesadas, não contribuíram para o grupo se tornar popular.

A banda Velvet Underground: uma das menos conhecidas e mais importantes bandas do rock.

Essa seria uma marca do grupo: apesar da enorme influência que adquiriu nos anos seguintes, em especial nos anos 1970, os álbuns seguintes do Velvet Underground não venderam quase nada, por vezes, sequer chegando ao ranking Top 200 da Billboard. A banda lançou quatro álbuns (e deixou um outro inédito) até que Lou Reed saiu, em 1970, desiludido com a indústria musical e a falta de reconhecimento.

Após passar um tempo longe da música, trabalhando na empresa do pai, Reed retomou a carreira com o impulso do movimento Glam Rock na Inglaterra, que reverenciava seu material no Velvet Underground. Isso resultou em Reed indo à Inglaterra gravar seu primeiro álbum solo, Lou Reed (1971), bem como na gradual apresentação de David Bowie ao público norteamericano.

Transformer: lançando Reed ao sucesso!

A empreitada deu certo e Reed começou a receber reconhecimento e sucesso que não tivera até então, com os álbuns Transformer (1972) e Berlin (1973) até chegando às paradas. Dali em diante, o compositor manteve uma grande produção e reconhecimento, embora sua popularidade tenha decaído nos anos 1980.

Ter produzido uma carreira importante muito antes de fazer sucesso, e suas ligações com o submundo artístico, fizeram Reed ser considerado um herói pelo movimento punk que eclodiu em 1976-1977, algo que foi novamente resgatado quando do movimento grunge.

Lou Reed.

Com vários problemas de saúde, Lou Reed morreu vítima de uma crise hepática, após um transplante mal-sucedido, em 27 de outubro de 2013, aos 71 anos.