Neste último domingo, ocorreu a premiação do Grammy, que celebra a música. Enquanto esse prêmio não nos interessa, tendo em vista o roll de artistas que são indicados e principalmente premiados nesse tipo de evento, é importante sinalizar que a Variety noticiou que numa festa pré-Grammy, a Universal Music apresentou uma longa prévia do novo filme dos Beatles que está em produção por Peter Jackson (de O Senhor dos Anéis).

Peter Jackson está produzindo um documentário sobre as sessões do filme/disco Let it Be, que os Beatles realizaram em janeiro de 1969, mas que só foram publicados mais de um ano depois, em maio de 1970. Foi um empreendimento complicado para a banda, que buscou ensaiar um novo repertório inédito e apresentá-lo ao vivo em um show, filmando todo o processo, desde os primeiros ensaios e composições até o concerto final. Era uma maneira do quarteto de Liverpool tentar se reconectar depois das tensas sessões do ano de 1968 que resultaram no The White Album, o Álbum Branco.

Porém, o empreendimento não deu muito certo: os ensaios (e filmagens) iniciaram no dia 02 de janeiro de 1969, mas já foram interrompidas 8 dias depois, com brigas constantes entre os membros. O grupo decidiu mudar de lugar, saindo de um estúdio cinematográfico e indo para o novíssimo estúdio de gravação da Apple Records (a gravadora deles) em 22 de janeiro, mas nesse meio tempo, os Beatles desistiram de fazer o tal show da volta, terminando por fechar os arranjos das canções apenas para exibi-las às câmeras e realizando um concerto de improviso no telhado da Apple, no centro de Londres, o famoso Show no Telhado (The Rooftop Concert), em 30 de janeiro, que durou menos de 40 minutos até a polícia os obrigarem a parar. Insatisfeitos com o material, o grupo deixou um time de engenheiros de som tentando extrair o melhor e gravou o álbum Abbey Road com outro repertório, enquanto o Let it Be (filme e disco) só foi lançado em maio de 1970. Mas nesse ponto, o fim dos Beatles já tinha sido anunciado!

Para celebrar os 50 anos de lançamento, o espólio da banda irá lançar um novo filme. Enquanto o documentário original, dirigido por Michael Lindsay-Hogg, mostra meio que sem roteiro ou fio condutor a banda ensaiando e fazendo o Show do Telhado no fim; um novo filme está sendo montado por Peter Jackson, provavelmente, com o título de Get Back, que era o nome original do projeto antes de ser mudado para Let it Be.

Não está claro qual será o formato do filme de Jackson nem qual sua estrutura ou trama, mas a prévia exibida na festa pré-Grammy da Universal Music nos dá uma ideia. Segundo a Variety, não foi um trailer, mas uma prévia mesmo, de vários minutos mostrada para os participantes do evento: artistas, celebridades, executivos da indústria fonográfica e jornalistas.

A Variety diz que Jackson usou a mesma técnica de recoloração e clareamento usada no documentário They Shall Not Grow Old, que restaurou e coloriu velhos filmes da I Guerra Mundial. A técnica permitiu que as imagens conhecidas de Let it Be, com seu tom escuro e granulado ganhassem novo viço, mais cor e claridade.

Além disso, diz o site, o tom da história é outro. Enquanto Let it Be é melancólico, soturno e sombrio, mostrando uma atmosfera meio pesada entre a banda; a abordagem de Jackson – como ele mesmo declarou quando o projeto foi anunciado e mais recentemente ganhou o respaldo do ex-membro da banda Paul McCartney – é que há muito mais momentos de amizade e companheirismo do que tensão e brigas.

O diretor da Apple Records – e vale lembrar que a empresa fundada pelos Beatles em 1968 é muito mais antiga do que aquela outra de mesmo nome que faz telefones – Jeff Jones apresentou a prévia e exaltou o propósito do novo filme:

Nós criamos um filme totalmente novo que tentará acabar com o mito de que as sessões de Let it Be foram o último prego no caixão dos Beatles.

A Variety ainda descreve um pouco o que viu, corroborando a declaração:

Uma incrível contranarrativa de Let it Be foi mostrada: mais brilhoso tanto visualmente quanto em espírito, com muitas e muitas imagens dos Beatles fazendo piadas, se divertindo um com os outros, cantando em sotaques bobos (…). Também traz muitas cenas do grupo ensaiando canções do álbum Abbey Road – o seu verdadeiro canto de cisne, que seria gravado no verão seguinte – e até versões iniciais de canções que iriam aparecer em álbuns solo [de seus ex-membros]. Com base nesse clipe, os fãs dos Beatles irão estourar suas cabeças com esse filme.

É o que esperamos, Variety e Apple.

Não há uma data oficial para o lançamento do novo filme – que deve ser acompanhado de outros produtos, em especial um box set com versões remixadas de Let it Be no mesmo estilo que foi feito com Sgt. Peppers, White Album e Abbey Road nos últimos anos, na medida que cada um faz 50 anos. Porém, a pré-venda de um novo livro chamado Get Back aponta que o material será lançado em outubro deste ano.

Os Beatles no clipe de Let it Be.

Ah, e para os detalhistas: a Universal anunciou o filme porque o catalogo dos Beatles, que foi gravado na gravadora EMI, pertence a Nothern Songs que foi vendida de dono em dono ao longo das décadas e hoje pertence à Universal Music. A EMI distribui os álbuns, mas os royalties pertencem à Universal.