Uma era que se encerra. Em uma conferência a investidores de Wall Street, o CEO da The Walt Disney Company, Bob Iger, anunciou que está deixando imediatamente o cargo e que seu substituto será Bob Chapek. Iger marcou a história da empresa do rato, pois foi o responsável principal pela companhia ter adquirido a Pixar, a Marvel Comics, a LucasFilm e a 20th Century Fox, tornado a Disney a maior empresa de entretenimento do mundo.

Iger assumiu o cargo de CEO em 2005 e progressivamente imprimiu uma política agressiva de aquisições que ampliou muito o leque de propriedades intelectuais da Casa do Rato, que sob seu comando comprou a Pixar Animation em 2006; a Marvel Comics em 2009; a LucasFilm em 2012 e a 20th Century Fox em 2018. Marvel e LucasFilm custaram na casa dos US$ 4 bilhões, cada; enquanto a Fox foi arrematada por mais de 70 bilhões.

Apesar dos altos investimentos, o retorno foi praticamente imediato, já que só no ano passado, a Disney arrecadou mais de 11 bilhões em bilheterias de cinema, com nada menos que 7 filmes ultrapassando a marca de 1 bilhão, grande parte deles advindos de franquias da Marvel (Vingadores, Capitã Marvel) e da LucasFilm (Star Wars).

No que compete à Marvel, por exemplo, a gestão de Iger deu plenos poderes ao presidente do Marvel Studios, Kevin Feige, livrando-o das amarras do CEO da Marvel Entertainment ao qual estava antes vinculado (até 2013), Ike Perlmutter. Isso resultou que o Marvel Studios obteve 3 das 10 maiores bilheterias da história do cinema: Vingadores – Ultimato no 1° lugar, Vingadores – Guerra Infinita em 5° e Os Vingadores em 7°.

No Oscar 2019, a Marvel fez história ao conseguir três prêmios para Pantera Negra (Melhor Direção de Arte, Melhor Figurino e Melhor Trilha Sonora) e ainda foi indicado a outros 4, incluindo Melhor Filme.

No ano passado, Iger conseguiu colocar Feige na Direção Criativa da Marvel Entertainment, o que na prática finalmente desarticulou o poder de seu rival, Perlmutter, e pôs a Casa das Ideias em um novo rumo.

Também no ano passado, Iger articulou o lançamento do Disney+, o canal de streaming da empresa-mãe, que reúne conteúdos de todas as suas marcas. A plataforma foi um grande sucesso e emplacou um grande hit com a série de TV The Mandalorian, do universo de Star Wars.

Star Wars foi o campo mais vacilante da Disney nos últimos anos, já que emplacou grandes bilheterias, mas falhou em agradar ao público com seus novos filmes, o que levou a uma mudança de rumo após as más recepções consecutivas de Os Últimos Jedi e Han Solo, em 2017 e 2018, respectivamente, que levou ao cancelamento dos longas futuros planejados e uma reorganização que ainda não ficou clara como se dará no campo do cinema, enquanto se direciona para a TV (via streaming) com perspectiva de sucesso: além da segunda temporada de The Mandalorian, vem aí séries sobre Obi-Wan Kenobi e um prelúdio de Rogue One (o filme da nova geração que mais sucesso de crítica conseguiu).

Bob Iger e Bob Chapek.

O contrato de Iger iria se encerrar em 31 de dezembro de 2021, mas este parece ser o melhor momento para o executivo sair, enquanto está no topo. Ele assume o cargo de Presidente Executivo (Executive Chairman), enquanto será substituído como CEO por Bob Chapek, que está na empresa desde 1993 e estava como Presidente de Parques, Experiências e Produtos desde 2018, sendo um dos responsáveis pela execução do Star Wars: Galaxy Edge, um parque temático nos parques da Disneyworld e Disneyland, que fez bastante sucesso e irá agregar um hotel temático também.