A polícia civil do estado do Rio de Janeiro cumpriu ontem um mandado de busca e apreensão de um pretenso material inédito do cantor e compositor Renato Russo, líder da Legião Urbana e falecido em 1996. A ação transcorreu após denúncia do filho e herdeiro do músico, Giuliano Manfredini, de que um produtor guardava 30 canções inéditas, algumas regravações de sucessos da Legião Urbana.

Noticiada por veículos como O Globo, Último Segundo, Correio Brasiliense e Tenho Mais Discos que Amigos, a operação Será?, em alusão a uma das canções da Legião Urbana, adiciona mais um temeroso capítulo sobre a disputa pelo espólio de Renato Russo.

As primeiras reportagens não traziam nomes e diziam que Giuliano Manfredini realizou uma denúncia à Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM) de que um produtor musical teria material inédito de Renato Russo e fez a busca e apreensão em um estúdio no Centro da cidade do Rio de Janeiro e também no apartamento pessoal dele na Zona Sul da cidade.

Segundo o Extra, o material foi apreendido na casa do produtor Marcelo Fróes, que foi amigo de Renato Russo, e após a morte do artista, era o representante musical do artista junto à empresa da família, a Legião Urbana Produções, e fazia a intermediação entre eles e a gravadora EMI que lançou os discos do grupo.

A denúncia veio por meio da identificação de um perfil falso em uma rede social pelo qual se identificou que se teriam 30 gravações inéditas de Renato Russo, algumas das quais, regravações de seus sucessos da Legião Urbana. Mas Fróes nega as acusações, dizendo que tudo é um mal entendido.

Conversei uma época com uma menina, a Ana Paula, que depois de um tempo eu descobri que não era uma menina, mas o cara do Arquivo Legião [Josivaldo Bezerra da Cruz Junior, que administra a página de fãs no Facebook, e que teve sua casa revistada pela polícia no ano passado, acusado por Giuliano de ter se apropriado de obras inéditas de Renato]. Entrei de gaiato, devem ter achado uma dessas conversas e vieram bater aqui, fui surpreendido por um delegado querendo saber se eu tinha coisas da Legião Urbana.

O delegado Maurício Dimítrio da DRCPIM afirma que o material foi encontrado no estúdio do produtor e pesquisador:

Há indícios de que a denúncia feita pelo filho de Renato Russo estava correta e que há mesmo versões de músicas inéditas. Vamos agora analisar este material. Foi importante diligência realizada hoje. Foi possível arrecadar elementos de provas cruciais para a continuidade da investigação e esclarecimento total dos fatos.

Porém, Fróes foi durante muitos anos o responsável musical pelo legado de Russo e esteve por trás de inúmeros lançamentos póstumos tanto de Russo quanto da Legião, mas foi distituído por Giuliano quando o rapaz atingiu a maioridade e assumiu o legado do pai.

Pesa contra Manfredini a gestão truculenta dos negócios do pai. Filho do cantor com uma fã, Giuliano foi criado pela mãe de Russo e sua filha, irmã do compositor. Porém, isso não fez diferença para Giuliano, que ao fazer 18 anos, se tornou oficialmente o detentor dos direitos do pai e rompeu as relações com a avó e a tia e as afastou da Legião Urbana Produções, inclusive, as proibindo de visitarem o apartamento de Russo no Leblon, onde o músico viveu até a morte.

Manfredini também rompeu relações com os outros membros da Legião Urbana, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá, e tentou se tornar o único controlador do acervo do grupo, processo que perdeu na Justiça. A disputa travou o lançamento de qualquer material inédito daquela que foi a banda de maior sucesso do Brasil nos anos 1980 e 90. Em 2015, o lançamento de uma edição comemorativa de 30 anos do primeiro álbum homônimo da banda, chegou a ser tirado das plataformas de streaming.

Fróes se queixa da postura de Manfredini:

Ele nunca me procurou, nunca demonstrou interesse em saber o que eu sabia. Infelizmente, ele virou as costas para todo mundo. Eu sempre fui aliado, sempre tentei ajudar.

Fróes é um conhecido pesquisador musical brasileiro envolvido com o lançamento ou manutenção de arquivos de inúmeros artistas, não somente nacionais, mas estrangeiros também, tendo lançado vários Discos tributos aos Beatles.

Giuliano Manfredini já havia mandado a polícia invadir a casa de Josivaldo Bezerra da Cruz Junior, do site Arquivo Legião.

Marcelo Fróes deveria prestar depoimento na segunda-feira, porém, seu advogado conseguiu adiar para quinta-feira.

Renato Manfredini Jr. nasceu em 1960 no Rio de Janeiro, mas cresceu em Brasília, onde adotou o nome artístico de Renato Russo e fundou o Aborto Elétrico, primeira banda punk da capital, em 1978, e Marco Zero de todo um movimento musical na cidade, que deu origem a várias bandas, como Capital Inicial (derivada do AE) e Plebe Rude, além da Legião Urbana, que Russo fundou em 1982 com o baterista Marcelo Bonfá, e que ganhou o guitarrista Dado Villa-Lobos no ano seguinte. A Legião lançou seu primeiro álbum homônimo em 1985 e fez algum sucesso, mas foi o disco seguinte, Dois (1986), que a transformou na mais popular e influente banda de rock dos anos 1980, seguindo outros Discos importantes, como As Quatro Estações (1989), seu maior sucesso.

Renato Russo morreu vítima de uma grave crise depressiva, agravada por ser portador do vírus HIV, em 11 de outubro de 1996, causando uma grande comoção no país, poucos dias depois do lançamento do álbum A Tempestade.