Uma cópia em ótimo estado da estreia do Capitão América nos quadrinhos, datada de 1941, foi vendida num valor recorde de US$ 3,120 milhões. E no mesmo pregão também foram a leilão algumas artes originais de Jack Kirby e outra de suas revistas, Fantastic Four 01, de 1961.

O leilão da Heritage Auctions foi considerado um sucesso total com a quebra de vários recordes em valores mais altos pagos em HQs antigas e itens agregados.

O destaque do dia foi uma cópia em perfeito estado de Captain America Comics 01, de março de 1941, que traz a estreia do Capitão América e de seu parceiro de combate ao crime, Bucky, mais tarde conhecido como Soldado Invernal, bem como sua origem e seu primeiro confronto com o vilão Caveira Vermelha. A revista, publicada nos primórdios da Marvel Comics (quando ainda atendia pelo nome de Timely), teve roteiro e arte de Joe Simon e Jack Kirby e causou um grande impacto na época com sua arte dinâmica, seu herói patriótico no momento em que os Estados Unidos estavam prestes a ingressar na II Guerra Mundial e sua capa bombástica, com o herói esmurrando o líder nazista Adolf Hitler.

Em pouco tempo, as revistas do Capitão América se tornariam uma das mais vendidas do início da década de 1940, ao lado de Superman, Batman e Shazam (chamado então de Capitão Marvel). A cópia do leilão de Captain America Comics está incrivelmente bem conservada, atingindo nota 9,4 no CGC (Certified Guaranty Company) que vai de zero a dez.

O valor 3,120 milhões é apenas o quarto valor mais alto já pago em uma HQ em todos os tempos, atrás das estreias Superman (1938), Batman (1939) e Homem-Aranha (1962), as únicas que já ultrapassaram a marca dos três milhões de dólares. Uma HQ tão antiga e tão conservada é um item raríssimo de colecionador e a Captain America Comics de CGC 9,4 é a melhor cópia da edição a aparecer no mercado em 20 anos.

E a festa para as artes de Jack Kirby não terminaram aí. Outra revista assinada pelo “Rei dos Quadrinhos” também bateu recordes: Fantastic Four 01 de novembro de 1961, e assinada ao lado de Stan Lee, foi vendida por 1,5 milhões de dólares, numa cópia em ótimo estado de conservação e CGC de 9,2.

Também foi leiloada uma arte original ainda a lápis de Jack Kirby para a Splash page (página de abertura) da revista Tales of Suspense 59, de 1964, que trouxe a primeira aventura solo do Capitão América na Era de Prata, após o personagem ser resgatado (em uma aventura dos Vingadores) depois de uma década fora das bancas. A história também era assinada por Stan Lee e Kirby e a página em questão foi vendida por 630 mil dólares, o mais alto valor já pago por um original de Kirby.

E ainda teve mais: todo o restante da história de 10 páginas de Tales of Suspense 59 com a arte original a lápis de Kirby foi vendida pelo valor combinado de US$ 975 mil!

Os representantes da Heritage Auctions afirmaram (via Comics Book Resource) que os leilões de itens raros de quadrinhos estão em alta e atingem valores sempre mais altos a cada ano, o que provavelmente está relacionado às produções cinematográficas e televisivas adaptando esses personagens.

A passagem dos anos cada vez mais amplia, também, o reconhecimento de Jack Kirby como um pilar de sustentação tão forte quanto Stan Lee na criação do Universo Marvel. Após alguns trabalhos iniciais na animação e HQs, Kirby assumiu o posto de Diretor de Arte da Timely, onde criou o Capitão América ao lado de Joe Simon, e vários outros personagens, depois, trabalhando com sucesso em outras editoras, como Fawcett Comics (no Shazam) e na DC Comics (The Boys Commandos).

Depois de ser convocado pelo Exército dos EUA e lutar na II Guerra Mundial, entre 1943 e 1945, Kirby voltou aos quadrinhos, mas o declínio do mercado de super-heróis no pós-guerra o levou ao trabalhar em outros gêneros por alguns anos, como faroeste e romance.

Ainda que tenha feito alguns trabalhos pontuais com os heróis (como uma passagem pelo Arqueiro Verde na DC, em 1958), Kirby firmou de novo os dois pés no gênero com a criação do Universo Marvel ao lado de Stan Lee, numa esteira criativa que gerou o surgimento do Quarteto Fantástico (1961), Thor, Hulk, Homem-Formiga (1962), Homem de Ferro, Vespa, X-Men e Os Vingadores (1963), além de trazerem de volta dos anos 1940, Namor, o príncipe submarino e o Capitão América, e rechear as revistas de personagens secundários marcantes que virariam protagonistas em seguida, como Pantera Negra, Surfista Prateado, Inumanos e muitos e muitos outros.

Em 1970, Kirby deixou a Marvel e voltou a DC, onde criou uma ousada coleção de revistas chamada de O Quarto Mundo, trazendo os Novos Deuses e personagens importantes como o vilão Darkseid e heróis como Orion e Senhor Milagre.

Ele voltou à Marvel outra vez, agora, trabalhando sozinho como roteirista e desenhista, e além de produzir temporadas de Capitão América e Pantera Negra, criou Os Eternos, uma de seus projetos mais audaciosos.

Com o fim dos anos 1970, Kirby se afastou dos quadrinhos e trabalhou de novo com animação até se aposentar. Ele morreu de um ataque cardíaco em 1994. Seus herdeiros hoje brigam na justiça para o recebimento de Royalties de suas criações imortais na Marvel.