A Heritage Auctions, empresa especializada em leilões, vem realizando uma série de vendas de quadrinhos antigos este ano e vem quebrando recorde em cima de recorde, numa medida que nos mostra a valorização dos super-heróis enquanto bens culturais, provavelmente, em consequência à década bem sucedida de filmes, em especial do Marvel Studios. Dias atrás, o novo episódio dessa saga resultou na venda de All-Star Comics 08, a primeira aparição da Mulher-Maravilha nos quadrinhos, por US$ 1,62 milhões.

A venda é um marco, por ser a primeira vez que uma revista protagonizada por uma personagem feminina ultrapassa a marca de um milhão de dólares e se insere num contexto impressionante de ter sido a oitava revista antiga vendida por mais de um milhão no ano de 2022 pela Heritage Auctions, sendo as outras: Superman 01 (a primeira revista solo do personagem), Action Comics 01 (primeira aparição do homem de aço), Marvel Comics 01 (primeira revista dessa editora, trazendo as estreias de Tocha Humana, Namor e Anjo), Captain America Comics 01 (estreia do personagem), Fantastic Four 01 (estreia do Quarteto Fantástico), e duas cópias de Detective Comics 27 (a estreia do Batman).

Apesar da estreia da Mulher-Maravilha nessa revista, não há nenhuma menção a isso na capa.

Quanto à All-Star Comics 08, obviamente, também é um recorde para a própria publicação. Segundo os dados da Certified Guaranty Company (CGC), que classifica esse tipo de revista rara, existem apenas 191 cópias da publicação e o exemplar vendido na semana passada é o único deles com uma classificação maior do que 9,0. O índice CGC avalia a qualidade do exemplar (folhas inteiras, coloração amarelada, deterioração, rasgos etc.) que vai de 0 a 10. A cópia de 1,62 milhões tem CGC 9,4.

Antes disso, o exemplar mais valioso de All-Star Comics 08 comercializado tinha sido em 2017, com uma cópia no valor de US$ 936 mil.

Há potencial para mais, pois existe uma contestação ou relativação de historiadores sobre a importância real de All-Star Comics 08 para a Mulher-Maravilha. Isso se dá, porque a revista, publicada com data de capa de dezembro de 1941 e janeiro de 1942, traz a princesa amazona como uma atração secundária, na última história, mas sequer é anunciada na capa. Na época, a editora All-American Comics – uma subsidiária da National Periodicals (o antigo nome da DC Comics) – comandada pelo editor Max Gaines, quis surfar na popularidade da Sociedade da Justiça, o primeiro dos grupos de super-heróis, que é o destaque da capa e tinha suas aventuras publicadas naquela revista.

Pouco depois dessa publicação, a Mulher-Maravilha – criada pelo psicólogo William Moulton Marston – se tornou a principal atração de Sensation Comics, já a partir da edição 01, numa aventura que é uma sequência direta da anterior, com Diana Prince saindo da Ilha Paraíso para o nosso mundo. A história de All-Star Comics 08, que foca na origem da personagem, seria recontada numa versão ampliada em Wonder-Woman 01, uma revista especial lançada mais tarde.

Ademais, a Heritage Auctions vendeu várias outras revistas e artes raras de super-heróis e, entre os destaques, uma capa da minissérie Batman: The Dark Knight Returns (O Cavaleiro das Trevas, no Brasil), de Frank Miller, que atingiu (apenas a arte) um valor de US$ 2 milhões; e coisas como:

  • Uma cópia de Fantastic Four 01 com CGC 9.0, por 420 mil;
  • Uma Detective Comics 29 (a terceira história do Batman) com CGC 8.5, por 276 mil;
  • Uma cópia de Amazing Fantasy 15 (a estreia do Homem-Aranha) com CGC 7.5 (uma classificação relativamente baixa), por 216 mil;
  • Uma X-Men 01 com CGC 9.2 por 204 mil;
  • Uma Superman 01 com CGC 1.5 (ou seja, baixíssimo, um exemplar em péssimo estado de conservação), por 198 mil;
  • Uma Amazing Spider-Man 01 com CGC 9.2, por 168 mil;
  • Uma Fantastic Four 05 (a estreia do vilão Doutor Destino) com CGC 9.4, por 162 mil.

A Mulher-Maravilha acabou de completar 80 anos de publicação e é a mais icônica das super-heroínas.

O HQRock tem um Dossiê especial que narra toda a sua trajetória nos quadrinhos, clique aqui!