Após a polêmica decisão de cancelar definitivamente o já finalizado filme da Batgirl, que continua reverberando nas redes, um evento interno para acionistas ontem anunciou os planos de um projeto de 10 anos para o universo da DC Comics nos cinemas.

Comandado pelo CEO da Warner Bros. Discovery (nova empresa que surgiu da compra da Warner pela Discovery), David Zaslav, o evento possibilitou alguns esclarecimentos sobre o polêmico gesto (que não deve ser um ato isolado) e os planos para o futuro do DCU.

Zaslav afirmou:

Nossa ambição é resgatar a Warner e produzir grandes filmes de alta qualidade. Podemos construir um negócio sustentável de longo prazo a partir da DC. Não vamos lançar um filme antes de estar pronto.

O executivo aproveitou e deu uma cutucada não tão discreta no que foi o maior erro recente da empresa: lançar Liga da Justiça inacabado, com pobres efeitos especiais, em 2017. Um ato que rendeu parte da emboscada que o DCU vive hoje.

Então, o CEO apontou o futuro:

Nós vimos The Flash, Black Adam e Shazam 2. Estamos muito animados com eles. Nós os assistimos, achamos que são incríveis e pensamos que podemos fazê-los ainda melhores.

Falar que pode melhorá-los indica que os filmes ainda podem ser mexidos e passarem por refilmagens para adequá-los aos planos correntes do estúdio.

Então, Zaslav explicou um pouco seus planos para o decênio próximo :

Você vê Batman, Superman, Mulher-Maravilha, Aquaman… São marcas reconhecidas no mundo todo. Fizemos um reset. Estamos reestruturando o negócio em que temos um novo foco, que é um plano focado em 10 anos só de DC. Acreditamos que podemos construir um negócio sustentável.

É muito similar à estrutura que Alan Horn, Bob Iger e Kevin Feige fizeram de modo muito efetivo na Disney.

Como vamos, Zaslav confirma aquilo que o HQRock já havia afirmado, com os planos de mirar nos personagens principais, tratá-los como franquias de longo prazo e criar um esforço coordenado de criar um universo minimamente coeso.