james_gunn_2b.jpgContinuando a novela James Gunn, depois do diretor de Guardiões da Galáxia 1 e 2 ser demitido da Disney por causa da divulgação de tuítes com “piadas” de mau gosto sobre pedofilia e estupro; do elenco escrever uma carta aberta em seu apoio; do ator Dave Bautista (que vive Drax, o destruidor) dizer que não iria fazer o filme se a Marvel não usasse o roteiro escrito por Gunn; de rumores de que ele poderia ser recontratado; de outras fontes dizerem que isso não iria acontecer de jeito nenhum; agora, duas novas notícias parecem ir adicionando camadas ao bolo. Segundo o Deadline, o Marvel Studios está advogando a favor de que a Disney – especialmente, o CEO Bob Iger – reconsidere sua decisão e recontrate o diretor para assumir Guardiões da Galáxia Vol. 3, que estava previsto para lançamento em 2020. E não só isso: a esta altura, mesmo que isto não aconteça, é quase certo que o estúdio irá utilizar o roteiro que ele escreveu para o filme.

É importante acompanhar o desdobramento dessas notícias, já que em tempos de #MeToo, as terríveis mensagens escritas por Gunn no Twitter entre 2008 e 2011 não podem ser esquecidas.

guardians of the galaxy vol 2 heroes unitedPor outro lado, existe certa indolência em Hollywood a favor do diretor e correram boatos de que, caso a Marvel realmente abrisse mão de Gunn, já há outro punhado de estúdios – entre eles a Warner Bros. e sua DC Films – interessadíssima em contratá-lo.

Pelo quadro que se monta, é quase certo que Vol. 3 terá, pelo menos, o roteiro de Gunn, enquanto o fato dele dirigir ou não o filme depende de instâncias maiores na The Walt Disney Company, que é proprietária da Marvel Comics e suas subsidiárias.