Após a notícia de ontem de que The Flash, o filme solo do velocista escarlate da DC Comics, iria ser filmado em novembro deste ano, uma nova informação pode pôr tudo a perder. Segundo o The Hollywood Reporter, o ator Ezra Miller não quer realizar a versão cômica de Barry Allen já exposta em Liga da Justiça e quer uma pegada mais séria e sombria. Por isso, fez uma proposta à Warner Bros.: Ele mesmo escrever o roteiro ao lado de Grant Morrison!

É uma notícia e tanto pelas implicações que tem. Em primeiro lugar, cria um desconforto com os diretores contratados para The Flash, Jonathan Goldstein e John Francis Daley, a mesma dupla que escreveu o roteiro de Homem-Aranha – De Volta para Casa, e claro, também produziu o texto para o filme do velocista.

A coisa é ainda mais séria do que parece, pois o THR diz que Miller irá se aproveitar do fato de seu contrato com a Warner expira em maio e se o estúdio não aceitar sua proposta irá simplesmente abandonar o papel e obrigar à uma recontratação de protagonista.

Seria já o segundo caso dentre o elenco chave de Liga da Justiça, agora que foi oficializado que Ben Affleck não é mais o Batman.

Com Aquaman arrasando nas bilheterias e Mulher-Maravilha garantida com sua sequência em 2020, sobram Superman e Ciborgue e nenhum deles está realmente garantido no papel no cenário atual.

Voltando a The Flash, o projeto é um imbrólio similar a Gambit dentro do universo dos mutantes da Marvel: o velocista escarlate tem seu filme solo em produção desde 2016 e a despeito de ter Ezra Miller como protagonista, já perdeu o diretor duas vezes e a chegada de Goldstein e Daley trouxe o clima leve e a desistência em adaptar o arco Flashpoint, na qual Barry Allen usa sua supervelocidade para ir ao passado e salvar sua mãe de ser assassinada, mas com isso, altera toda a realidade e cria um mês mundo terrível, que precisa desfazer. Nas HQs, Flashpoint foi o preâmbulo do Reboot editorial Os Novos 52, em 2011.

Essa trama bizarra e sombria – até onde se sabe – não seria seguida pelos diretores atuais. A chegada de Grant Morrison ao filme pode mudar tudo.

Morrison é um dos principais nomes dos quadrinhos da atualidade e um dos grandes representantes da Invasão Britânica de escritores que tomou especialmente a DC Comics. Trabalhando inicialmente em números secundários, Morrison impressionou público e crítica com seu trabalho radical em Homem-Animal e Patrulha do Destino (a mesma que vai à TV agora) e se consagrando como um dos maiores nomes em histórias como Batman: Asilo de Arkham (que inspirou o game), a temporada em Liga da Justiça e Crise Final. Nós últimos anos, ele produziu uma longeva e aclamada temporada no Batman (2006-2011), reinventou a origem do Superman em Os Novos 52 e criou All-Star Superman, que é considerada talvez a melhor história do homem de aço em todos os tempos.

Com uma abordagem carregada de metalinguagem e conceitos inovadores e radicais, seria muito curioso (ou sensacional?) ver o que Morrison poderia trazer a um filme do Flash.

Resta saber se tal abordagem interessa à Warner ou se o estúdio irá preferir substituir Ezra Miller e manter a linhagem mais leve e família que o Flash já tem e é reconhecido em sua série de TV de sucesso.