O site Collider trouxe uma grande notícia hoje: segundo suas fontes, o Homem-Aranha teria uma pequena participação em Venom, mas foi cortado do filme a pedido do Marvel Studios, que não queria que o encontro desse a entender que o simbionte alienígena era parte do MCU (o universo dos Vingadores no cinema).

De acordo com o site, o ator Tom Holland chegou até a gravar a cena em questão, que mostraria não o Homem-Aranha propriamente dito, mas Peter Parker em um tipo de viagem estudantil para conhecer a Life Foundation, organização que serve como vilã em Venom: uma companhia de pesquisa científica que, de posse de uma nave alienígena caída próxima de San Francisco, na Califórnia, tem acesso aos simbiontes, criaturas vivas e inteligentes, de aparência disforme e gosmenta, que capturam corpos humanos como hospedeiros e dão origem ao personagem do título quando um dos simbiontes infecta o jornalista Eddie Brock, vivido por Tom Hardy.

Contudo, embora todos saibam que Homem-Aranha – De Volta ao Lar (e agora, Homem-Aranha – Longe de Casa) estavam ligados a Venom – até pela óbvia conexão dos quadrinhos – a Marvel não queria que o grande público achasse que o simbionte habitava o mesmo mundo de Homem de Ferro e Capitão América. Daí, a solicitação de que o cameo de Peter Parker não acontecesse. E a cena foi cortada da versão dos cinemas.

É curioso que, no bojo das notícias recentes do fim da parceria entre Sony Pictures (produtora dos filmes do Aranha e de Venom) e Marvel Studios (produtora dos filmes dos Vingadores e MCU), o presidente deste último, Kevin Feige, tenha dito que “ajudou” na produção de alguns filmes da Sony sem ganhar créditos por isso. E todos julgaram que Venom era um dos casos. O outro provavelmente é Homem-Aranha no Aranha-Verso.

Contudo, é provável que a participação de Feige em Venom não tenha se resumido a cortar o Homem-Aranha; mas o produtor deve ter tido um papel na finalização do filme, pois os boatos são de que a Sony sabia que o filme era ruim e tentou melhorá-lo um pouco na pós-produção; motivo que os fez suspirarem aliviados quando Venom fez sucesso (chegou a US$ 800 milhões, mais até do que De Volta ao Lar!). Mas a lição foi aprendida e um novo diretor comandará Venom 2, Andy Serkis, que é mais conhecido como o ator que deu vida a personagens digitais, como o Gollum de O Senhor dos Aneis, King Kong, o Ceasar de O Planeta dos Macacos; além de atuar de cara limpa como o vilão Ulysses Klawe nos filmes Vingadores – Era de Ultron e Pantera Negra, da própria Marvel.

O sucesso (improvável?) do simbionte alienígena o fará voltar aos cinemas, embora ainda não aja uma data de lançamento para Venom 2. Com o fim da parceria entre Marvel e Sony – e com o Homem-Aranha portanto fora dos filmes dos Vingadores no futuro – muitos fãs já esperam que o próximo Homem-Aranha 3 termine por colocar o cabeça de teia frente a frente contra Eddie Brock.

O uniforme negro que deu origem a Venom.

Nos quadrinhos, Venom surgiu primeiro como um simbionte alienígena disforme, revelado como sendo a roupa preta que o Homem-Aranha passou a usar na maxissérie Guerras Secretas, de 1984 e 1985, criado pelo roteirista Jim Shooter e o desenhista Mike Zeck. Só alguns anos depois, o vilão apareceu da forma como o conhecemos – uma versão maior e monstruosa do Aranha – estreando em Amazing Spider-Man 300, de 1988, nas mãos de David Michelline e Todd McFarlane.

Venom e Eddie Brock. Arte de Todd McFarlane.

Na trama, Eddie Brock é um jornalista do Globo Diário que teve a carreira destruída sem querer pelo Homem-Aranha, quando o herói revelou que um determinado assassino era um homem diferente daquele que Brock havia “revelado” nos jornais. Nutrindo um ódio irracional pelo Aranha, Brock terminou sendo encontrado pelo simbionte alienígena e, da fusão dos dois, nasceu Venom.

Uma origem similar a esta foi vista nos cinemas na primeira aparição nas telas de Venom, em Homem-Aranha 3, de 2007; mas o Venom atual muda bastante as coisas. Brock está vivendo em San Francisco depois de sua carreira ter sofrido um revés não explicado em Nova York, o que deixa pontas soltas para o futuro de sua relação com o aracnídeo.

Nos quadrinhos, embora um inimigo mortal do Homem-Aranha, Venom era tratado algo como um anti-herói, pois na verdade, o vilão tentava passar uma imagem de que não era mau, não queria fazer mal a ninguém e nem matar ninguém, apenas Peter Parker. O personagem ficou tão popular que chegou até a se descolar das revistas do Aranha e ter aventuras solo.