O rumor começou quando há dois dias atrás o ator Carl Lumbly foi escalado para a série Falcão e o Soldado Invernal, que o Marvel Studios está produzindo para exibir no Disney+. Agora, o \Films afirma que ele poder viver o Capitão América Negro, Isaiah Bradley, revelando, assim, grande parte da trama do programa.

Carl Lumbly é famoso por participar da série Supergirl e do filme Doutor Sono, mas os fãs de quadrinhos também lembram dele como a clássica voz de J’onz J’ozz, o Caçador de Marte, de Liga da Justiça – A Série Animada, dos anos 2000. Seu papel em Falcão e o Soldado Invernal não foi oficialmente revelado.

Isaiah Bradley: o Capitão América negro.

O personagem Isaiah Bradley se tornou uma versão do Capitão América nos quadrinhos da Marvel Comics. Conforme revelado na minissérie Truth: Red, White & Black, de 2003, escrita por Robert Morales e desenhada por Kyle Baker, o Governo dos EUA continuou a tentar a produção do Soro do Supersoldado após Steve Rogers se submeter de maneira bem-sucedida ao experimento, mas a fórmula ser perdida com o imediato assassinato do cientista Abraham Erskine pelas mãos de um espião nazista.

Aí vem o lado feio da história: enquanto Rogers se tornou o Capitão América e, na cronologia da Marvel vai à Europa lutar na II Guerra Mundial; o Governo dos EUA, desesperado após o ataque de Pearl Harbor, encontrou um modo de testar o aparentemente perdido Soro do Supersoldado, injetando um simulacro em 200 cobaias formadas por soldados afrodescendentes. Como resultado, todos morrem exceto um: Isaiah Bradley. No fim das contas, Bradley pega parte de um uniforme do Capitão América e embarca numa missão para impedir que os nazistas acessem ao Soro. Ele é bem sucedido, mas seu ato é encarado como traição e ele passa o resto da vida na prisão ou em hospitais psiquiátricos.

A capa de Truth: polêmica no lançamento.

Truth, portanto, trata da eugenia do início do século XX de modo contundente, num experimento que leva centenas de negros à morte. Quando anunciada, a minissérie causou muita polêmica simplesmente pela existência de um Capitão América negro; porém, com seu lançamento, foi elogiada pela crítica por sua crítica social e bom texto.

O encontro entre o Capitão América e o Patriota, neto de Bradley.

No presente, o Capitão América conhece o herói Patriota, que é neto de Isaiah, Elijah Bradley, e lidera o grupo que se torna conhecido como Os Jovens Vingadores. Rogers se torna uma espécie de tutor do rapaz e incentiva o grupo.

Segundo o \Films, a trama da série usará premissa similar: segundo suas fontes, o programa lidará com o legado de Steve Rogers. O herói doou seu escudo a Sam Wilson, o Falcão, ao fim de Vingadores – Ultimato, mas Wilson reluta em assumir o manto de Capitão América.

Porém, ele mudará de ideia após conhecer a história de Isaiah Bradley, que deve ter um background similar ao dos quadrinhos. Nas HQs, Steve Rogers se tornou o Capitão América em 1941 e o teste de Bradley foi no ano seguinte. Nos filmes, Rogers só se torna o herói em 1943. Esse gap temporal pode fazer a versão cinematográfica de Bradley ter surgido antes e ser o “primeiro” Capitão América.

Caso seja verdade, isso dará à série a possibilidade discutir aspectos de preconceito histórico e lugar de fala, além dos aspectos raciais gerais representados na figura do Falcão, cujas histórias em quadrinhos sempre tiveram força social.

John Walker como o Super-Patriota.

Tratando do legado de Steve Rogers, Falcão e o Soldado Invernal não se resumirá ao passado: a trama adaptará a história do Agente Americano, John Walker, um ex-militar que também foi submetido a uma versão defeituosa do Soro do Supersoldado e se tornou um “herói” chamado Super-Patriota, mas que terminou sendo escolhido pelo Governo dos EUA para substituir Rogers como o novo Capitão América. Nas HQs, a pressão do novo cargo e as manipulações de um vilão – no caso o Caveira Vermelha – fazem Walker ficar desequilibrado mentalmente e ele termina afastado pelo Governo e derrotado por Rogers, que volta a ser o Capitão.

Depois de ser dado como morto em um atentado e realizar um tratamento, Walker adota a identidade de Jack Daniels, e se torna o Agente Americano, ingressando nos Vingadores da Costa Oeste. Apesar de seu passado e de ser nervoso e truculento, ele não é um vilão, mas um tipo de anti-herói.

Na série de TV, é provável que a trama seja similar: como Wilson não quer se tornar o Capitão América, o Governo dos EUA pós-Vingadores – Ultimato decide transformar John Walker, um militar destacado, no novo herói. Neste caso, o vilão será o Barão Zemo – que nos filmes apareceu em Capitão América – Guerra Civil – que provavelmente irá manipular a mente frágil de Walker e fazê-lo se tornar descontrolado e violento como nas HQs, que o obrigará o Falcão a sair contra ele em disputa pelo manto do antigo amigo. Nesse meio tempo, a trama de Isaiah Bradley e seu neto, Elijah como Patriota, se encaixa bem.

Zemo, o vilão.

O grande “porém” disso tudo até agora é qual será o papel de Bucky Barnes, o Soldado Invernal nessa trama. Provavelmente, o programa explorará seu passado como vilão – quando sofreu lavagem cerebral da HIDRA – e talvez alguns de seus atos passados tenham impacto direto na trama. Talvez, ele tenha enfrentado Isaiah Bradley no passado? O trailer curto lançado no SuperBowl mostra claramente que Barnes também terá contas a acertar com Zemo, que o manipulou em Guerra Civil.

De qualquer modo, tudo isso soa MUITO BOM e promete um grande show!

The Falcon and the Winter Soldier estreia no streaming do Disney+ no outono do hemisfério norte, ou seja, por volta de setembro ou outubro deste ano, na tradicional temporada de lançamento de novas séries da TV dos EUA.