Coringa foi um grande sucesso: mesmo com Censura 18 anos (nos EUA), arrecadou mais de um US$ 1 bilhão nas bilheterias e rendeu um Oscar de Melhor Ator para Joaquin Phoenix. Então, não é surpresa que a Warner Bros. esteja analisando a possibilidade de realizar filmes de outros vilões do universo do Batman, iniciativa que já rendeu Aves de Rapina – Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa. Outro que está na mesa é Bane, mas segundo o Heroic Hollywood, apesar da proposta ter rodado os corredores do estúdio, os executivos preferiram – no momento – guardar o personagem, que deve aparecer em uma futura sequência de The Batman.

O vilão Bane: origem ainda inédita.

Assim como o Coringa, Bane tem uma biografia nos quadrinhos suficientemente complexa para render um filme próprio. Apesar de alguns ainda guardarem na memória a versão acéfala e muda do vilão exibida em Batman e Robin (1997), Bane ganhou uma representação mais digna em Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012), interpretado por Tom Hardy; bem como uma outra relativamente fiel aos quadrinhos na série Gotham.

Bane quebra o Batman em A Queda do Morcego. Arte de Jim Aparo.

Bane é conhecido por ter sido o vilão que “quebrou” o Batman, no famoso arco A Queda do Morcego, de 1993. Na trama, em um audacioso plano, Bane promove uma fuga em massa do Asilo de Arkham, deixando todos os vilões de Batman nas ruas, como um modo de exaurir o herói. A estratégia dá certo e o cavaleiro das trevas fica completamente exausto após algumas semanas, no que Bane se aproveita e vence o herói em uma luta corporal, quebrando a sua coluna cervical e o deixando paralítico.

Nas HQs, foi uma longa – e mal engendrada – estrada até Bruce Wayne se recuperar – com alguns toques mágicos – e poder voltar a Gotham City.

A essência dessa história terminou usada em O Cavaleiro das Trevas Ressurge, misturada com a linha principal de outro arco, Terra Ninguém (na qual Gotham tem seu território excluído dos EUA e quem permanece na cidade vive em uma terra sem lei). No filme, Bane e a Liga das Sombras “sequestram” a cidade por meio de uma chantagem atômica e mantêm seus habitantes em um reino de terror depois que obriga um aposentado e debilitado Bruce Wayne a retornar à ativa e o vence facilmente em uma luta, deslocando sua coluna – não quebrando – e aprisionando o herói em uma prisão de fuga impossível em um lugar remoto do Oriente. São necessários meses para que Wayne se recupere e consiga fugir, retorne a Gotham e, com a ajuda de seus aliados, como Mulher-Gato, Lucius Fox e uma versão disfarçada do Robin, consiga frustrar os planos do vilão.

Porém, enquanto em Ressurge, Bane é um homem meio sem passado e retratado apenas como um terrorista ardiloso e eficiente, nas HQs, sua versão original, pelo menos, era um homem extremamente inteligente, além de forte bom lutador; que se tornava mais mortífero por incrementar suas habilidades com um soro especial chamado Veneno, que aumenta a força dos usuários – mas os deixa insanos em médio prazo.

Bane quebrou o Batman nos quadrinhos.

A principal característica de Bane, todavia, que pode ser explorada em um filme solo é sua origem. Na trama de A Vingança de Bane – HQs publicada em 1993, com roteiro de Chuck Dixon e arte de Graham Nolan – Bane é originário de uma fictícia ilha-nação do Caribe, Santa Prisca, na qual um governo corrupto e autoritário a rege com mão de ferro. Opositores são punidos sem piedade ou atenção aos direitos humanos: a mãe de Bane é presa grávida e a criança nasce na cadeia, o que é uma alegoria bastante interessante, ainda que trágica.

Como não havia sentido em manter o menino vivo, após alguns anos, Bane é colocado em uma cela à beira do mar que inunda toda a noite, e deixado lá completamente abandonado, na esperança de que simplesmente morra de fome ou afogado. Mas mostrando uma determinação fora do comum, Bane encontra uma forma de não se afogar quando a cela inunda e passa toda a sua adolescência crescendo naquele inferno aquático, se alimentado apenas do que a maré traz para si: peixes e crustáceos. Depois de anos, os administradores da prisão descobrem que Bane ainda está vivo e o tiram de lá, mas agora, ele virou uma verdadeira lenda por causa de seu feito inacreditável.

Virando “o rei” do crime de Santa Prisca, Bane fica obcecado quando descobre a história do Batman, o homem-morcego que combate o crime de modo furtivo em Gotham City e toma como missão de sua vida quebrar esse homem que parece ter a mesma obstinação sua. Deixando o caos completo em sua terra-natal, Bane e sua quadrilha recém-formada migra para Gotham e traçam o plano que levará à queda do morcego.

Sem dúvidas, é uma história que pode render um grande filme nas mãos certas; mas também pode servir de pano de fundo de uma aventura cinematográfica do próprio Batman, que se baseie mais em A Queda do Morcego do que em Terra de Ninguém, ainda que os elementos básicos daquela não devam ser repetidos em um futuro filme da pretensa trilogia que Matt Reeves planejou para o personagem.

The Batman, dirigido por Matt Reeves e estrelado por Robert Pattinson, teve as filmagens interrompidas pela metade por causa da pandemia mundial do novo coronavírus. A Inglaterra, onde a produção estava sediada, recentemente liberou o trabalho cinematográfico, mas os estúdios de Hollywood ainda estão reticentes em regressar por causas dos riscos inerentes. Não há previsão conhecida de retorno oficial às gravações. A estreia que estava prevista para junho do ano que vem, já foi oficialmente adiada para 01 de outubro de 2021; porém, ainda é bem provável que seja adiada de novo.