Morreu hoje o baterista Lee Kerslake, ex-membro da banda Uriah Heep e que também tocou em clássicos álbuns de Ozzy Osbourne. A notícia foi confirmada por Ken Hensley, tecladista daquela banda, em suas redes sociais. A causa da morte foi uma longa batalha contra um câncer.

Lee Kerslake com os discos de platina que ganhou dos álbuns de Ozzy Osbourne.

Lee Kerslake nasceu em Wilton, Bournemouth, na Inglaterra, em 16 de abril de 1947, e tocou em várias bandas a partir do fim dos anos 1960, com destaque para The Gods (1968-1969), e outras, como Head Machine (1970); mas sua carreira deslanchou mesmo quando ingressou no Uriah Heep, em 1971, que já tinha lançado três álbuns.

A formação clássica do Uriah Heep.

O Uriah Heep tinha uma sonoridade particular que combinava o peso do hard rock com o uso extensivo dos teclados (de Ken Hensley) e as temáticas de cunho medieval, discos temáticos e longas passagens instrumentais do rock progressivo, com o adicional de vocais dramáticos em coro. Mas a adição da bateria elegante e criativa de Kerslake e o baixo simplesmente inacreditável de Garry Thain, deram um grande impulso ao grupo, que inaugurou ali uma fase clássica em álbuns como Demons and Wizards, The Magician’s Birthday (ambos de 1972), Sweet Freedoom (1973), Wonderword (1974) e Return to Fantasy (1976).

Kerslake na banda de Ozzy Osbourne.

Kerslake deixou o grupo em 1979 e em seguida se uniu ao vocalista Ozzy Osbourne, recém saído do Black Sabbath. Com uma banda poderosa, que incluiu ainda o guitarrista Randy Rhoads e o baixista Bob Daisley, lançaram os dois primeiros álbuns da carreira solo de Osbourne, Blizzard of Ozz (1980) e Diary of a Madman (1981), clássicos absolutos do heavy metal e que fizeram muito sucesso.

A parceria com Osbourne terminou mal, ao ponto do baterista ter seu nome omitido nos créditos do segundo álbum, e como se isso não fosse o bastante, um relançamento nos anos 1990 chegou a substituir a gravação de Kerslake por outro baterista contemporâneo. Porém, os relançamentos posteriores restituíram não somente sua faixa instrumental, mas também os créditos, de modo que finalmente Kerslake recebeu dois discos de platina pelo trabalho e foi incluído, por ele, no Hall da Fama do Heavy Metal.

Depois, Kerslake terminou regressando ao Uriah Heep e também participou do Living Loud, um supergrupo de hard rock com vários músicos célebres, que lançou um álbum em 2003. O baterista deixou o Uriah Heep em 2007 por motivos de saúde. Mais tarde, foi revelado que ele lutava contra o câncer nos ossos e na próstata, mas ainda fez um show com eles em 2015, relembrando a fase clássica do grupo. Seu último show com a banda foi em dezembro de 2018, numa participação especial.

Foi também em dezembro de 2018 que Kerslake divulgou que estava em estado terminal, pois seu câncer havia se espalhado por outras partes de seu corpo.

Lee Kerslake morreu hoje aos 73 anos.