O Deadline trouxe a notícia de que o Marvel Studios oficializou a produção de Thunderbolts, filme que adaptará as HQs da equipe de vilões que fingem ser heróis, liderada pelo Barão Zemo. O filme terá direção de Jake Schreier (de Robot and Frank) e roteiro de Eric Pearson (de Viúva Negra).

Não há nenhum detalhe sobre a trama e nem quais serão os membros do time em sua versão cinematográfica, mas é possível perceber que há uma série de personagens que vêm aparecendo nas recentes produções que podem encontrar seu caminho rumo ao grupo.

O primeiro deles é, claro, o Barão Zemo, vilão do filme Capitão América – Guerra Civil e que apareceu também em destaque na série do Disney+ Falcão e o Soldado Invernal. Também dessa série temos outros “suspeitos”, como Valentina Allegra de Fontaine (que na trama do programa estava reunindo pessoas para um grupo, vejam só) e também John Walker, o Agente Americano.

O vilão do filme O Incrível Hulk (de 2008), Abominável, que ensejou um retorno mais de 10 anos depois no filme Shang-Chi e a Lenda dos Dez Aneis (e que é esperado aparecer também na vindoura série da Mulher-Hulk) é outra forte possibilidade, assim como Yelena Belova, a nova Viúva Negra, além da Fantasma, que apareceu em Homem-Formiga e a Vespa. O próprio Soldado Invernal – em vista de seu passado como assassino (ainda que devido a uma lavagem cerebral) é outro possível membro. Tudo isso já dariam sete personagens, fora outros que ainda podem surpreender.

O próprio Deadline deixa claro que a formação cinematográfica dos Thunderbolts vai depender, claro, da negociação de contratos com os atores e da disponibilidade de suas agendas; o que não é algo tão simples no mercado competitivo de Hollywood. Ainda assim, o Marvel Studios estaria em contato com esses atores e solicitando que deixem suas agendas livres para o verão do ano que vem, o que aponta para um lançamento em 2024.

Nos quadrinhos, os Thunderbolts era um grupo de vilões disfarçados de heróis, aparecendo inicialmente em The Incfredible Hulk 447, de 1997, antes de ganharem uma revista própria nas mãos de seus criadores, o roteirista Kurt Busiek (vindo de uma fase sensacional nos Vingadores) e o desenhista Mark Bagley (que trabalhou com o Homem-Aranha na maior parte da década de 1990). Na trama, após os Vingadores, o Quarteto Fantástico e vários outros heróis serem dados como mortos após o confronto com o superpoderoso vilão Massacre, o Barão Zemo tem a brilhante ideia de “suprir” a carência dos heróis com o seu grupo de vilões, os Mestres do Terror. Assim, cada um dos membros assumiu um novo uniforme e codinome em prol de pôr em prática um plano no qual ganhariam a confiança das autoridades e, em seguida, dariam um golpe, assumindo o controle político dos Estados Unidos.

Dessa forma, o Barão Zemo se tornou o Cidadão V, Rocha Lunar a Meteorita, Besouro o Mach-IV, Colombina a Soprano, Golias virou Atlas e Armador o Tecno. Seguindo à aparição na revista do Hulk e algumas outras menções no Universo Marvel, o grupo aparece de verdade em Thunderbolts 01, de abril de 1997, e os leitores só descobriram o real propósito do time na última página daquela edição, o que rendeu à revista grande aclamação da crítica e do público. Pouco tempo depois do início das atividades do grupo, a jovem inocente Choque se juntou a eles, o que Zemo usou como artifício para dar ainda mais credibilidade ao plano, e a personagem serviu como os olhos do público diante dos vilões disfarçados.

O plano de Zemo deu certo de início, mas as tramas de Busiek e Bagley terminaram por explorar que a maior parte do grupo foi sendo tocado pelos atos heroicos que realizavam e, quando Zemo tentou pôr em prática o seu golpe, apenas o Armador manteve o combinado e os demais se voltaram contra o seu líder. Busiek escreveu a revista até o número 34, e Bagley desenhou até o 51.

Depois disso, os Thunderbolts continuaram agindo como heróis, embora fossem perseguidos pelas autoridades, e durante um tempo, admitiram o ex-Vingador Gavião Arqueiro como seu líder, pois ele próprio também era um ex-bandido.

Daí em diante, o grupo de ex-vilões teve várias outras encarnações e propósitos, incluindo um tempo em que foram liderados pelo Duende Verde, Norman Osborn (inimigo do Homem-Aranha) num estilo muito similar ao Esquadrão Suicida da DC Comics: com missões heroicas a mando do governo ao troco de reduções de penas. Nessa fase, a partir de Thunderbolts 110, de 2006, com roteiro de Warren Ellis e arte do brasileiro Mike Deodato Jr., as ações se passavam nas consequências da Guerra Civil da Marvel, com Osborn usando o time para perseguir heróis que se recusaram a trabalhar para o Governo dos EUA.

Na sequência de eventos da Invasão Secreta – maxissérie de 2007 e 2008, por Brian Michael Bendis e Leinil Francis Yu, no qual os alienígenas transmorfos Skrulls eram revelados como tendo se infiltrado na Terra e substituído vários heróis e vilões – , Osborn foi aclamado como herói (por ter matado a Rainha Skrull na batalha final) e terminou ficando responsável pelo MARTELO (agência de defesa que substituiu a SHIELD) e adaptou a ideia dos Thunderbolts ao criar os Vingadores Sombrios, nos quais vilões e ex-vilões substituíam os Vingadores se fazendo passar pelos heróis, assumindo a revista Dark Avengers, por Bendis e Deodato Jr., que foi um grande sucesso.

Desde então, várias outras versões do time foram lançadas nas HQs da Marvel.

O MCU pode aproveitar parte do plot original, inclusive, com a ideia da virada pós-Invasão Secreta (que será adaptada como uma das novas séries do Disney+, embora não se saiba em que contexto) e, quem sabe, como um grupo que venha a substituir os desarticulados Vingadores pós-Ultimato. Quem sabe a atuação do grupo seja uma motivação para termos o retorno real dos Vingadores num futuro longíquo, como em 2025 ou 2026? É possível também que a trama dos Thunderbolts no MCU sirva a uma analogia do Esquadrão Suicida, agindo para a SHIELD, a ESPADA (ou SWORD – que já apareceu em WandaVision e outras produções) ou mesmo o MARTELO (que ainda não apareceu).