O That Hashtag Show noticiou que Morbius, o vampiro vivo, personagem que surgiu como um tipo de vilão do Homem-Aranha, também vai ganhar um filme próprio, na mesma linha de Venom, outro inimigo que também está ganhando as telas.

Segundo o site, Morbius ganhará um terror de ação desenvolvido pelos roteiristas de Perdidos no Espaço da Netflix, Matt Sazama e Burk Sharpless, enquanto F. Gary Grey estava contado para dirigir, mas já se desligou do projeto. A Sony Pictures procura um ator maduro, entre 30 e 35 anos para viver o personagem.

O THS também divulgou uma sinopse:

Uma história de horror de ação de um cientista que, na busca pela cura de uma rara doença sanguínea, acidentalmente se transforma em um vampiro vivo que, embora não goste de sua própria sede de sangue, escolhe caçar criminosos que julga serem indignos à vida.

A sinopse é bastante fiel ao personagem nos quadrinhos. Surgido na revista do Homem-Aranha, Amazing Spider-Man 101, de 1971, criado por Roy Thomas e Gil Kane, o vampiro vivo na verdade era uma jogada de Stan Lee – então, Editor-Chefe da Marvel – para colocar um elemento de terror nas revistas da editora.

Isso porque desde a caça às bruxas das revistas em quadrinhos na década de 1950, que resultou na criação do órgão de auto censura das editoras, o Comic Code Authority (CCA), as histórias de terror eram proibidas e personagens como vampiros não podiam aparecer nas histórias. Mas a trama de origem de Morbius naquela revista dizia que ele sofria de uma doença e não era um morto-vivo como os vampiros tradicionais. Com isso, Lee, Thomas e a Marvel furaram o CCA de novo (poucos meses antes, tinham produzido uma história sobre uso de drogas, tema que também era proibido).

Desde o início, o plano era apresentar Morbius ao grande público via Homem-Aranha, cuja revista era a mais vendida da Marvel, e em seguida, dar espaço próprio para Morbius em histórias de terror, o que foi feito: algum tempo depois, o vampiro vivo ganhou histórias próprias e a Marvel terminou abrindo uma linha editorial apenas com revistas de terror.

A estratégia atual da Sony é explorar ao máximo os personagens cuja propriedade mantém na adaptação ao cinema, que é o caso do universo particular do Homem-Aranha. Enquanto o cabeça de teia em si é desenvolvido ao lado do Marvel Studios em conexão com a franquia dos Vingadores; a Sony em contrapartida tem o direito de desenvolver qualquer outro personagem ligado diretamente ao escalador de paredes.

Assim, enquanto Venom estreia em outubro, estão em desenvolvimento o filme do Morbius e Silver & Black, que irá reunir duas anti-heroínas, Silver Sable e Gata Negra.