Segundo o Washington Post, o laudo pericial da morte da cantora e compositora Dolores O’Rordian, líder do The Cranberries, foi acidental. A artista foi encontrada morta em um quarto de hotel em Londres, no dia 15 de janeiro.

O laudo finalmente revela alguns detalhes do incidente. A cantora foi encontrada submersa na banheira do quarto do hotel ao lado de uma garrafa de champanhe e outras cinco mini garrafinhas de álcool. O volume de álcool no sangue era cinco vezes maior do que o permitido para dirigir um automóvel na Grã-Bretanha. A causa Mortis foi afogamento acidental após intoxicação.

Em vista das circunstâncias, a legista Shirley Radcliffe conclui no laudo que não há sinais de automutilação e, portanto, não existem motivos para desconfiar de que não tenha sido acidente.

Dolores O’Rordian ingressou nos Cranberries em 1989, onde se tornou a vocalista, guitarrista e principal compositora, e a banda lançou seu primeiro álbum em 1993, com Everybody Else is Doing it So Why Can’t We?, que trouxe o hit Linger. O grupo lançou cinco álbuns de sucesso até 2002, quando entraram num hiato. A banda retornou dez anos depois e gravou mais dois discos. O’Rordian tinha 46 anos e teve um histórico de depressão e tentativas de suicídio.