Em 30 de janeiro de 1969, a maior banda de rock de todos os tempos fazia seu último concerto, sua última aparição pública: os Beatles subiam ao topo do prédio da Apple Corps., empresa deles, e faziam aquele que ficou famoso como o Show do Telhado ou The Rooftop Concert.

O quarteto de Liverpool estava em meio aos ensaios do projeto que, então, chamavam de Get Back: compor do zero, ensaiar e realizar um concerto ao vivo apenas com canções inéditas e filmar tudo. Porém, as relações tensas dentro do grupo terminaram por fazê-los desistirem no meio, mas como precisavam dar um fim ao filme que vinha sendo rodado pelo cineasta Michael Linsday-Hogg, tiveram a ideia de improviso de simplesmente subir ao telhado e fazer o show ali mesmo.

Assim, depois de três semanas de composição e ensaios, os Beatles subiram no teto do prédio da Apple, no número 3 da Saville Row, bem no centro comercial de Londres, na hora do almoço, fazendo 4° C em pleno inverno e tocaram um set de 5 faixas novas até serem parados pela polícia metropolitana, que reclamou do barulho e do distúrbio no trânsito que o evento causava.

Até hoje não é claro de quem foi a ideia e ir ao telhado. O filme Let It Be não mostra a banda tomando uma decisão, apenas os mostra lá. O pianista Billy Preston, único músico de apoio que tocou ao lado do grupo na ocasião disse que a ideia foi de John Lennon e o engenheiro de som Glyn Johns (uma lenda do rock que trabalhou com Rolling Stones, The Who e Led Zeppelin), e que gravou o concerto em dois gravadores de 8 canais (para produzir o efeito da ainda inexistente mesa de 16 canais), afirmou que foi ideia dele. O documentário The Beatles Anthology, que narra a trajetória do grupo, não mostra o momento da ideia, mas a banda discutindo se deve ou não subir lá e fazer o show. Na filmagem, George Harrison diz que não quer ir, mas o baterista Ringo Starr se mostra bem animado.

O Show do Telhado foi filmado por 8 câmeras, que flagraram a banda em todos os ângulos, inclusive, de costas, mais outras duas câmeras que mostraram a movimentação na rua quando a banda começou a tocar (foi um evento surpresa, mas todos sabiam que ali era o QG dos Beatles) e outra filmadora dentro do prédio para flagrar a chegada da polícia.

A banda só teve tempo de tocar 5 faixas nos pouco mais de 40 minutos que ficaram lá em cima (descontando as pausas entre as faixas, foram 22 minutos de música). Mas como estavam fazendo um filme, de decidiram repetir algumas das canções. No meio, ainda tiveram dar uma rápida parada para trocar as fitas de gravação, na qual tocaram God saves The Queen, o hino da Inglaterra.

O set list do show foi o seguinte:

  1. Get Back (take 1);
  2. Get Back (take 2);
  3. Don’t let me down (take 1);
  4. I’ve got a feeling (take 1);
  5. One after 909;
  6. Dig I pony;
  7. I’ve got a feeling (take 2);
  8. Don’t let me down (take 2);
  9. Get Back (take 3).

Apesar de interrompido pela polícia, o concerto do telhado foi tão poderoso que nada menos que três performances do show terminaram na versão final do álbum Let It Be, que seria lançado em 1970: o primeiro take de I’ve got a feeling, One after 909 e Dig a pony, embora nesta, como é claramente perceptível, a versão do álbum cortou o coro “All I want is you” que aparecia no início e no final.

Além das três, o primeiro take de Don’t let me down foi transformado no clipe oficial da canção e Get Back é vista no filme Let It Be tocada nos takes 2 e 3, esta última na qual a polícia desliga os amplificadores de guitarra de John Lennon, mas o guitarrista percebe e religa do meio para o fim.

A Don’t let me down ao vivo não foi lançada em disco na época, mas um mix dos dois takes saiu em Let It Be… Naked, em 2003, enquanto o take 3 de Get Back havia saído no CD Anthology III, em 1996.

Outra curiosidade do Rooftop Concert é que nas filmagens não é visto o produtor George Martin, que permaneceu no porão do prédio, onde estava o estúdio, monitorando a gravação ao lado do engenheiro de som assistente, Alan Parsons, um nome que se tornaria bastante famoso como engenheiro e produtor nos anos 1970, e depois, montou a banda The Alan Parsons Project. Lá em cima do sexto andar, Glyn Johns monitorava o equipamento.

Os Beatles tocaram em sua formação básica: John Lennon (vocais e guitarra), Paul McCartney (vocais e baixo), George Harrison (guitarra e vocais de apoio), Ringo Starr (bateria); mais Billy Preston (piano elétrico) no apoio.