O HQRock divulgou dias atrás que Bond 25, o novo filme da franquia de 007 irá iniciar as filmagens principais amanhã e que um evento especial confirmou o elenco e a sinopse do longa. Mas nem tudo são flores: segundo o Page Six há sérios problemas rondando o set, inclusive, a ausência de um roteiro!

Como o HQRock já tinha atentado em outra postagem, a contratação da roteirista Phoebe Waller-Bridge veio “muito em cima” da produção, apenas na semana passada, com as filmagens começando amanhã. Isso quer dizer que o filme inicia as filmagens principais sem ter um roteiro finalizado, o que é sempre um mau sinal.

Bond 25 é uma novela nesse sentido: o longa começou a ser desenvolvido pela EON Productions (proprietária da franquia) em 2017, quando se decidiu que Sam Mendes (diretor de Skyfall e Spectre) não retornaria à franquia. Os produtores Bárbara Broccoli e Michael G. Wilson queriam outro diretor do grande escalão e (aparentemente) até conversaram com Christopher Nolan, antes de fechar contrato com Danny Boyle (de Quem Quer Ser um Milionário?), no comecinho de 2018. A EON tinha esperanças de lançar o longa no natal daquele ano, ou na pior das hipóteses, em fevereiro de 2019.

Danny Boyle.

Àquela altura, Bond 25 tinha duas opções de roteiro: uma dos tradicionais escritores da franquia, Robert Wade e Neal Purvis, e outro de Richard Curtis, que foi o que Boyle escolheu para trabalhar. O diretor trouxe seu parceiro contumaz, John Hodge, e produziram uma nova versão do roteiro, mas não conseguiram a aprovação da EON e o cineasta pediu demissão, em agosto de 2018. Àquela altura, a data de estreia já tinha sido movida para dezembro de 2019.

Então, relativamente rápido, Broccoli e Wilson contrataram um substituto para a direção: Cary Joji Fukunaga foi anunciado já em setembro de 2018, e trouxe consigo o roteirista Scott Z. Burns, conseguindo também uma mudança da data de estreia para fevereiro de 2020.

Porém, ao descartar o roteiro de Curtis e Hodge e se debruçarem sobre o de Wade e Purvis, Fukunaga e Burns perceberam que precisavam de mais tempo para deixar o texto melhor, e conseguiram o adiamento final da estreia para 08 de abril de 2020, que é a data oficial até agora (embora, esta data corresponde aos EUA, pois no Reino Unido é um pouco mais cedo, em 03 de abril).

Phoebe Waller-Bridge.

Contudo, estamos agora com as filmagens prestes a começar e Phoebe Waller-Bridge só foi contratada na semana passada para refinar o texto de Wade e Purvis + Fukunaga e Burns.

Além disso, a Page Six afirma que o astro Daniel Craig é problemático no set e aqueles que trabalham no filme diriam que chega às raias do insuportável. E que as relações estariam mais tensas do que o normal por causa de tudo o que vem acontecendo.

O site diz que a EON está pressionando a produção para correr, pois já vão mais de 3 anos desde o filme anterior. Quando Bond 25 chegar aos cinemas já terão passado 4 anos e 3 meses, um intervalo alto considerando o histórico da franquia.

Skyfall: um dos melhores e o maior sucesso de todos os tempos na franquia.

Outro intervalo longo foi o de 4 anos entre Quantum of Solace (2008) e Operação Skyfall (2012), que fora motivado por algo fora do controle da EON: a venda do estúdio MGM à Sony Pictures, o que criou um imbróglio legal.

Afora isso, o maior intervalo na franquia foram os 6 anos entre Permissão para Matar (1989) e Goldeneye (1995), motivados por uma crise identitária e política para James Bond: a queda do Muro de Berlim (1989), o fim da União Soviética (1991), e consequentemente, da Guerra Fria, que sempre fora o principal pano de fundo da franquia, seja nos livros originais de Ian Fleming (escritos entre 1953 e 1965), seja nos filmes.

É de se esperar que a pressa não seja inimiga da perfeição e que Cary Fukunaga – um nome em ascensão em Hollywood – entregue um 007 digno de nota, como foi Skyfall, que chegou a ter 5 indicações ao Oscar.

Blofeld e Swann: vilão megalomaníaco.

Para não ficar apenas nas más notícias, o Page Six ainda dá um pequeno furo: além dos anunciados, outros dois atores regressarão à franquia em Bond 25. Em primeiro lugar, Christopher Waltz, que viveu o vilão Blofeld em Spectre, terá uma pequena participação.

Além disso, a atriz e cantora Grace Jones também fará uma participação especial, embora provavelmente, numa nova personagem, pois a vilã May Day vivida por ela em Na Mira dos Assassinos, em 1985 (quando Bond ainda era Roger Moore), morreu em uma explosão.

O retorno de Blofeld faz o Page Six estipular que teremos uma pequena homenagem a A Serviço Secreto de Sua Majestade (1969), o histórico filme em que James Bond se casa apenas para ver sua esposa morta nas mãos de Blofeld. O site especula que no novo filme, Bond iniciará o longa aposentado na Jamaica – algo meio confirmado na sinopse – vivendo junto com a Dra. Maddelaine Swann, e a garota será morta a mando de Blofeld, que terminou Spectre na cadeia.

É bem possível.