O Geek WorldWide afirma que o Marvel Studios produzirá um filme do Quarteto Fantástico para ser lançado em 2022. E mais: que seria desenvolvido por Peyton Reed, o diretor de Homem-Formiga e Homem-Formiga e a Vespa.

Esta é a típica notícia que vem do nada e nos leva a considerar como MUITO improvável. Eu diria que é apenas um boato sem veracidade.

A Marvel já divulgou uma lista de datas de estreia pelos próximos anos, mas não vinculou nenhum filme a elas. Claro, sabemos mais ou menos quais serão a maior parte deles (veja aqui), baseados em notícias de pré-produção e coisas do tipo e nessas previsões não aparecem ainda as propriedades da 20th Century Fox (como o Quarteto Fantástico e os X-Men), que foram adquiridas pela Disney, que também é dona da Marvel.

O presidente do Marvel Studios, Kevin Feige, já disse em mais de uma entrevista que como a fusão das empresas só ocorreu no início desse ano, demorará alguns anos para que eles possam desenvolver esses novos personagens, ainda mais porque eles já têm em andamento um plano de pelo menos 5 anos para frente com seus outros filmes.

Então, é muito mais provável que a Fase 4 do Marvel Studios, que se inicia no ano que vem, trará algumas coisas novas, como Viúva Negra, Os Eternos e Shang-Chi, o Mestre do Kung-Fu, talvez até o Nova (que vem sendo muito citado em rumores), mas será em grande parte montada em cima da sequência de franquias que não se desenvolveram muito até agora, como Doutor Estranho 2, Pantera Negra 2 e Capitã Marvel 2, além da conclusão com Guardiões da Galáxia Vol. 3.

Nesse cronograma, não há espaço para X-Men ou Quarteto Fantástico. Não ainda.

Isso quer dizer que tanto os mutantes como a primeira família só devem regressar ao cinema sob o comando da Marvel lá para 2024 ou 2025 e além.

Bancando o advogado do diabo, o Quarteto Fantástico tem mais chances de vir adiante do que os X-Men, porque estão um pouco mais frescos do que estes últimos, que terão ainda dois produtos produzidos pela Fox, mas lançados pelas mãos da Marvel, como é X-Men – Fênix Negra (que estreou ontem!) e Os Novos Mutantes, que vai estrear no ano que vem. Os mutantes são uma franquia de sucesso e bem reconhecidos pelo público, com alguns de seus atores bastante apreciados, o que torna difícil substituí-los. É necessário mais tempo para evanescerem um pouco na memória dos espectadores antes de regressarem com tudo novo.

Já o Quarteto Fantástico, apesar de já ter gerado três filmes, não foi sucesso e nem bem aceito por ninguém, o que traz o desafio da rejeição por um lado, mas facilita que uma abordagem bem feita gere total aceitação pela ausência de vínculos do passado.

A Fox tentou duas vezes emplacar a primeira família no cinema. O diretor Tim Story lançou dois filmes – Quarteto Fantástico (2005) e Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado (2007) – mas ambos foram muito mal recebidos por público e crítica. Por isso, o estúdio decidiu começar de novo, do zero, e lançou Quarteto Fantástico (2015), agora dirigido por Josh Trank, que foi ainda muito pior, uma das menores bilheterias da história, um fracasso total e absoluto de público e crítica, e mais, uma catástrofe em termos de produção, com Trank brigando com a equipe e o elenco e tendo um surto psicótico no fim da produção, que o levou a até destruir a casa que o estúdio alugou para ele viver enquanto realiza as filmagens.

Com o filme inacabado, produtores da Fox, como Simon Kinberg (que estreia oficialmente como diretor com Fênix Negra) e outros diretores, como Matthew Vaughn foram chamados para comandar um cronograma de refilmagens para tentar melhorar um pouco o filme, mas não teve jeito e o resultado é o que deu.

É um currículo que pesa contra qualquer tentativa de levar Senhor Fantástico, Mulher-Invisível, O Coisa e Tocha Humana aos cinemas, mas a habilidade, moral, competência e reconhecimento do Marvel Studios no quesito pode motivar público (e crítica) a dar uma segunda chance.

Agora, isso acontecer tão logo quanto 2022, dado o já exposto, é muito, mas muito difícil.

***

O Quarteto Fantástico foi criado por Stan Lee e Jack Kirby, estreando em Fantastic Four 01, de 1961, a revista que inaugurou a editora Marvel Comics tal qual a conhecemos.