O fato da Warner Bros. estar interessada em fazer um filme da Batgirl já tem algum tempo: o diretor Joss Whedon (de Os Vingadores) foi contratado pela DC Comics justamente para dirigi-lo, antes de ser envolvido na controvérsia de Liga da Justiça e se desligar do estúdio. Mas embora este seja um produto ao qual os fãs estejam céticos de que seja produzido, parece que vai mesmo! Segundo o Heroic Hollywood, Batgirl é uma prioridade e a produção entrou movimento, com a Warner em busca de uma diretora para assumir o trabalho. Isso quer dizer que o roteiro escrito por Christina Hodson (que também roteirizou Aves de Rapina, cujas filmagens já terminaram) já está pronto.

Não há uma lista de candidatas à função, mas o estúdio quer uma diretora para assumir o filme, embora não seja impossível que um homem também seja contratado.

A Batgirl foi criada nos quadrinhos no fim dos anos 1950 e ganhou uma versão live action na série de TV do Batman, em 1967. A heroína também chegou aos cinemas em Batman & Robin, de 1997, vivida por Alicia Silverstone. Nos quadrinhos, existem várias versões da personagem, a mais conhecida é Barbara Gordon, a filha do Comissário Gordon, que decide se tornar uma combatente ao crime inspirada tanto no pai quanto no Batman. Criada por Gardner Fox e Carmine Infantino, ela estreou em 1967 e é uma das personagens mais queridas da DC Comics.

Barbara Gordon é baleada pelo Coringa. Arte de Brian Bolland.

Em termos de cronologia, a Batgirl Barbara Gordon tem uma história interessante, pois a personagem foi baleada pelo Coringa na história A Piada Mortal, de 1987, por Alan Moore e Brian Bolland (sendo ainda torturada e estuprada). O vilão sequer sabia sua identidade secreta, apenas queria atingir o Comissário Gordon e, de tabela, o Batman. O fato foi incorporado ao cânone e Barbara ficou tetraplégica, usando uma cadeira de rodas, mas continuando a ser uma heroína: sob a alcunha de Oráculo, usou suas habilidades de hacker para auxiliar ao Batman e aliados com informações.

A Batgirl Barbara Gordon em anos recentes.

Foi somente em 2011 que Barbara voltou a andar, nas histórias da fase Os Novos 52 da DC Comics, quando ficou estabelecido que a heroína passou alguns anos de cadeira de rodas até conseguir voltar a andar por meio de um tratamento médico experimental. Retratada como uma jovem adulta nas histórias dos anos 1990, ultimamente, Barbara é retratada como mais jovem e com histórias muito ligadas às tecnologias e ao universo juvenil contemporâneo.

Rumores do passado diziam que o roteiro de Christina Hodson iria adaptar justamente essas histórias, mostrando a jornada de Barbara exatamente após ter voltado à identidade de Batgirl após passar anos em uma cadeira de rodas por causa do Coringa. Contudo, este cenário é muito ligado ao universo dos filmes anteriores da DC, como Batman vs. Superman – A Origem da Justiça, Esquadrão Suicida e Liga da Justiça e isto gera uma dúvida se o caminho seria mesmo esse no contexto pós-fracasso de Liga da Justiça.