Enquanto Star Wars – A Ascensão Skywalker bate o 1 bilhão de dólares nas bilheterias mundiais – que atingiu esta semana – vem à tona o vazamento de um suposto roteiro do que seria o filme caso fosse dirigido por Colin Trevorrow, que abandonou o posto e foi assumido por J.J. Abrams. A leitura levanta a questão: seria melhor? [Atualização, 24/01: Adicionamos as imagens conceituais que vazaram sobre o filme].

Quem está meio perdido, uma lembrança: quando a Disney comprou a LucasFilm e decidiu retomar os filmes de Star Wars, o diretor J.J. Abrams foi contratado para O Despertar da Força (2015), enquanto de imediato, Rian Johnson o foi para Os Últimos Jedi (2017) e Colin Trevorrow para o então sem título Episódio IX. Porém, o mau resultado das críticas de Os Últimos Jedi levou o estúdio a mudar os planos: Trevorrow abandonou o projeto e Abrams foi chamado para encerrar a Trilogia que iniciou.

Quanto ao roteiro vazado, para começar, claro, tudo isso pode ser falso e o tal roteiro ser mais uma fake news de alguém com muito tempo a gastar. Mas caso seja verdadeiro – já que foi noticiado pelos grandes veículos – o filme iria se chamar Star Wars – Duels of Fates ou Star Wars – Duelo de Destinos. Sim, é um título ruim como quase todos da franquia. [Atualizado: o roteiro se comprovou verdadeiro, pois dias após esta postagem ter sido publicada, vieram à tona uma série de imagens conceituais sobre a versão de Trevorrow do filme e o próprio diretor disse em sua conta no Twitter que as imagens são legítimas. As imagens corroboram exatamente o que está no texto vazado. Adicionamos a seguir as imagens. Fim da Atualização].

Claro, para compará-los, precisamos descrever também a versão final do Episódio IX. Então, vamos…

Ah, não custa lembrar: são GRANDES SPOILERS de A Ascensão Skywalker e só siga em frente se viu o filme ou não se incomoda de saber sobre segredos da trama.

A versão J.J. Abrams do Episódio IX tem como grande tema a redenção de Kylo Ren, cujo nome verdadeiro era Ben Solo, o filho de Han Solo e Leia Organa, que foi treinado nas artes Jedi pelo tio Luke Skywalker, mas foi seduzido ao Lado Sombrio da Força por Snoke e se tornou maligno e o braço forte da Primeira Ordem, organização que luta contra a República Galáctica pela restauração do Império que Luke, Leia e Han ajudaram a derrubar.

Snoke.

Com a morte de Snoke nas mãos de seu próprio pupilo em Os Últimos Jedi, Kylo Ren se tornou o Líder Supremo da Primeira Ordem e está atrás de um velho artefato Sith que poderia torná-lo tão poderoso quanto o avô, o Lorde Negro de Sith, Darth Vader. Nessa busca, ele descobre que Palpite, o velho Imperador está vivo, apesar de Luke e Vader (quando abandonou o Lado Sombrio e voltou para o Lado Luminoso da Força) o terem matado jogando-o no núcleo de energia da segunda Estrela da Morte, mais de 30 anos antes de O Despertar da Força e Os Últimos Jedi.

Palpatine quer explorar os poderes de Kylo e da heroína Rey para retomar suas forças e comandar de novo a galáxia. Mas Rey e seus amigos conseguem contra-atacar as forças da Primeira Ordem sob o comando do Imperador, ao mesmo tempo em que o constante diálogo travado entre Rey e Kylo por telepatia vai fazendo o jovem vilão repensar seus atos até que ele se sacrifica pelo bem da galáxia na busca de se redimir de seus crimes, que incluem ter matado o próprio pai em O Despertar da Força. No fim, ele volta a ser Ben Solo e morre ajudando Rey, que constrói seu próprio sabre de luz e adota o sobrenome Skywalker como uma maneira de manter viva a lenda e a tradição Jedi.

Bem, e o que seria diferente em Duelo de Destinos? Bom, tudo…

Para começar, a trama geral do roteiro de Trevorrow não lidaria com a redenção de Kylo Ren, mas ele continuaria a ser um pleno vilão ao longo da trama. Em resumo, a história seria:

O filme começaria com Rey, Finn, Poe, Rose e BB-8 em uma missão contra a Primeira Ordem que resulta na Resistência conseguindo roubar um Cruzador Imperial.

Coruscant nas artes conceituais do Episódio IX de Trevorrow.

Enquanto isso, o General Hux está em Coruscant, o planeta que foi o centro da República na Trilogia Prelúdio (os Episódios I, II, III), e agora é o Chanceler, o que implica que ele está no comando da nova ordem galáctica como peão de Kylo Ren. Não fica claro que regime é esse, pois a República foi pretensamente destruída – de novo – em O Despertar da Força (Episódio VII), e o roteiro vazado não é claro em muitos pontos.

Star Wars: The Last Jedi Kylo Ren (Adam Driver) Photo: Lucasfilm Ltd. © 2017 Lucasfilm Ltd. All Rights Reserved.

Assim, como em A Ascensão Skywalker, Kylo Ren aparece no início do filme no planeta Mustafar – a antiga “casa” de Darth Vader – em busca de uma velha relíquia. Porém, diferente da versão final, Luke Skywalker aparece para o sobrinho como um Fantasma da Força e tenta fazê-lo deixar o Lado Sombrio e voltar ao Lado Luminoso da Força. [Atualização: as imagens vazadas mostram que não seria apenas uma conversa, mas quase um confronto, pois Luke segura com a mão o sabre de luz de Kylo Ren, mesmo sendo apenas um Fantasma da Força. Fim da Atualização].

Mas Kylo não cede e segue adiante, encontrando um Holocron Sith com a localização de Tor Valum, o velho Sith que treinou Palpatine. Era um plano de contingência que o Imperador teria para caso fosse morto e Vader seguisse.

Rey leva o Cruzador para a base da Resistência e eles forjam um plano de usar um antigo comunicador como farol para chamar aliados a combater a Primeira Ordem, mas o aparelho está embaixo do Templo Jedi abandonado em Coruscant.

Luke também aparece para Rey incentivando-a a ser mais forte e Kylo Ren constrói um novo capacete para si, usando um capacete Mandaloriano. O roteiro não esclarece bem o que isso é, nem como fica essa aparência.

Luke treina Rey nas artes conceituais do Episódio IX de Trevorrow.

As equipes da Resistência se dividem em dois grupos, um indo a Coruscant, buscar o comunicador; e outro combatendo a Primeira Ordem num planeta chamado Bonadan e luta contra os Cavaleiros de Ren. Rey luta contra eles com seu novo sabre de luz, que combina aquele quebrado do filme anterior e o seu bastão de catadora. Lando Calrissian aparece liderando uma frota em favor da Resistência.

Tor Valum nas artes conceituais do Episódio IX de Trevorrow.

Kylo vai ao encontro de Tor Valum, uma criatura de 7 mil anos de idade, que lhe põe em um estranho treinamento, mimetizando o que Luke teve com Yoda (que tinha 900 anos): ele entra em uma caverna e vê uma alucinação com Darth Vader (seu avô e também pai de Luke). Vader e Ren têm uma batalha brutal, e o Lorde Negro de Sith vence o neto.

Kylo Ren vs. Darth Vader nas artes conceituais do Episódio IX de Trevorrow.

A batalha final entre a Resistência e a Primeira Ordem ocorre em um planeta chamado Mortis, que foi citado no desenho animado Rebels. Enquanto os heróis lutam com suas naves – e Chewbacca está pilotando uma X-Wing em vez da Millenium Falcon – Rey e Kylo têm sua batalha final.

Embora Luke, Obi-Wan e Yoda apareçam como Fantasmas da Força tentando fazer com que o antigo Ben Solo se redima e o jovem veja uma visão de seu falecido pai Han Solo fazendo o mesmo, Ren não cede ao bem e ainda revela a Rey que foi ele quem matou os pais dela a mando de Snoke.

O roteiro apenas diz que Kylo Ren é morto, mas não deixa claro como. E não há nenhuma outra citação a Tor Valorum.

[Atualização: Vazamentos seguintes mostram que se negando a ir ao Lado Luminoso por Luke, Yoda e Rey, esta é obrigada a matar Kylo Ren no fim. A Resistência empreende um ataque a Coruscant, onde está o centro de governo da Primeira Ordem e, ao longo do filme (não somente no final) mobiliza um ataque aéreo ao mesmo tempo em que articula um tipo de revolução com a população pobre e oprimida que vive nos níveis mais baixos do planeta que é inteiramente coberto por uma megalópole. Inclusive, C2PO e R2D2 têm um papel importante nesta última missão. O droide baixinho chega a ser mortalmente atingido e uma imagem parece mostrar o querido robozinho “morto”, mas o próprio Trevorrow comentou quando confirmou as imagens que tudo seria apenas um revez e R2D2 voltaria são e salvo para o final do filme.

Ao ver que a Primeira Ordem é derrotada, o General Hux – que também tem um pequeno arco de redenção na versão que foi aos cinemas – pega um sabre de luz que tem numa coleção (e na imagem é um vermelho, talvez pertencente ao próprio Kylo Ren?) e comete suicídio.

O filme terminaria com um “fechamento de ciclo” mais singelo: numa cena em que Leia Organa insere uma mensagem em BB-8 para comunicar à Galáxia que a Primeira Ordem foi derrotada; numa forte referência ao primeiro filme da saga Uma Nova Esperança, que inicia com uma jovem Leia escondendo uma informação vital à Aliança Rebelde em R2D2. Fim da Atualização].

Enfim, se o texto for verdadeiro, fica parecendo que faltam peças de seu final. As fontes que o revelaram disseram que esta versão do roteiro foi escrita antes da morte da atriz Carrie Fisher – em dezembro de 2016 – o que significa dizer que Colin Trevorrow poderia ter modificado o texto depois para se adaptar à ausência da atriz. [Atualização: Como já dito, o roteiro terminou sendo confirmado como verdadeiro quando Trevorrow veio a público dizer que as imagens conceituais vazadas eram legítimas e elas corroboram exatamente o conteúdo do texto vazado. Fim da Atualização].

Em termos de comparação entre A Ascensão Skywalker e Duelo de Destinos é difícil ter uma avaliação, pois um filme pode ser bem diferente no papel e na tela. Mas enquanto fica claro que há muitas semelhanças – a busca de Kylo Ren por um artefato em Mustafar, o retorno de Lando e até uma visão de Han Solo – o filme que Trevorrow faria seria bem diferente do que vimos nos cinemas comandado por Abrams.

É fato que embora ainda houvesse algum tipo de mimetismo em relação à Trilogia Clássica – em particular no treinamento de Kylo Ren na caverna e a “luta” com Vader – Duels of the Fates se diferenciaria em não retroceder tanto ao passado como A Ascensão Skywalker, que ressuscitou Palpatine para dar uma (irritante) ideia de ciclo fechado com o restante da saga.

E mais importante: não haveria a salvação de Ben Solo, abraçando o Lado Luminoso da Força.

Isso é um ponto importante.

Vader aprisiona Leia na primeira cena de Uma Nova Esperança.

Na Trilogia Clássica Darth Vader faz esse caminho: apresentado como o grande vilão em Uma Nova Esperança; o Lorde Negro de Sith choca a todos em O Império Contra-Ataca quando em meio a uma feroz batalha com Luke Skywalker revela que, na verdade, é o pai dele, Anakin Skywalker – que Luke pensava ter sido um piloto, mas o Mestre Jedi Obi-Wan Kenobi lhe revela (ainda no primeiro filme) que era um Cavaleiro Jedi, mas mente dizendo também que Anakin foi morto por Darth Vader. No fim, não era exatamente uma mentira: Anakin deixou de existir quando se tornou Vader, deixou de ser um Jedi para ser um Sith.

Em O Retorno de Jedi, após concluir seu treinamento com Mestre Yoda, Luke vai ao encontro de Vader e Palpatine na esperança de trazer o pai de volta ao lado do bem, pois diz ter sentido o bem dentro dele. E estava certo. No fim, Vader ajuda Luke a matar o Imperador, enquanto a Aliança Rebelde derrota a frota do Império.

Vader e Luke em uma batalha de convencimento em O Retorno de Jedi.

Vader é um grande vilão, mas sua redenção é sincera e por uma boa causa. E importante: ao longo dos filmes vemos sua vilania , ele mata seu antigo mestre, Obi-Wan, e ele até mata alguns oficiais imperiais, mas eles são vilões também. As maiores maldades de Vader terminam aparecendo nos filmes posteriores – a Trilogia Prelúdio, na qual vemos a origem de Anakin Skywalker até se tornar Vader – e A vingança de Sith exibe claramente: convertido ao Lado Sombrio da Força, Vader elimina a maioria dos Cavaleiros Jedi existentes, incluindo as crianças. Mas do ponto de vista dos filmes antigos, a virada de Vader não traz à tona de modo explícito seus crimes.

O problema com Kylo Ren é que ele é mostrado como vilão no início e comete uma grande atrocidade ao matar o próprio pai – e diferente de Vader que matou Obi-Wan em um combate e este ainda voltou como um Fantasma da Força – sem ser em um combate, com Han Solo desarmado e sem ser um Jedi para poder voltar depois; apenas tentando convencer o filho a voltar atrás. Embora mais relutante no segundo filme da Nova Trilogia, Ren continua um vilão. E sua redenção ao fim de A Ascensão Skywalker soa rápida demais. Fácil demais. Sem contar que cria uma mimetização completa da trama de O Retorno de Jedi, como Abrams já tinha feito com O Despertar da Força em relação a Uma Nova Esperança.

Por fim, vale destacar que o papel de Leia não seria maior nesse roteiro do que na versão final do filme, embora este último tenha a desculpa de que teve que reciclar cenas da atriz após sua morte. Em contrapartida, Luke teria uma participação maior, ainda que apenas falando como um Fantasma da Força.

De qualquer modo, dá para notar que várias ideias de Trevorrow foram aproveitadas para A Ascensão Skywalker, o que ajuda a justificar porque o diretor e Derek Connolly foram creditados por “História de” ao lado de Abrams e seu roteirista, Chris Terrio.