Um dos grandes mistérios das revistas do Batman na atualidade é a existência dos Três Coringas e o que isso significa. Após uma espera de 5 anos, a DC Comics finalmente irá solucionar a questão na minissérie Three Jokers, que chega às comics shops dos EUA neste mês, com roteiro de Geoff Johns e arte de Jason Fabok. E o desenhista explica parte do segredo em uma entrevista com o Newsarama.

O mistério começou em 2015, na saga The Darkseid War da Liga da Justiça, também da dupla Johns e Fabok. Na trama, quando Batman se senta na Poltrona Moebius, que dá acesso ao usuário de todo o conhecimento que existe, o cavaleiro das trevas pergunta o nome verdadeiro do Coringa e fica estupefato pela resposta. Após algumas edições, ele conversa com o Lanterna Verde e revela a resposta: “existem três deles”.

Logo em seguida, a DC Comics deu início à nova fase Rebirth/ Renascimento e na edição especial correspondente, Johns e Fabok produziram uma página na qual vemos o Batman investigando o mistério. Mas desde então, a trama está em suspenso.

Geoff Johns é um dos principais escritores da DC Comics neste século, tendo escrito fases memoráveis de personagens como Lanterna Verde, Superman e Aquaman, além de ter escrito Batman: Terra Um. Ele também é Diretor Criativo da DC Entertainment, responsável por supervisionar a adaptação dos personagens da editora para outras mídias e foi o presidente da DC Films, braço cinematográfico que acompanhou a produção de filmes como Batman vs Superman, Liga da Justiça e Mulher-Maravilha.

Ser um homem tão ocupado foi um dos motivos que atrasou tanto a produção da minissérie, que teve outras datas anunciadas, inclusive, uma no início deste ano, ainda antes da pandemia.

Agora, a revista finalmente irá chegar e Jason Fabok explica um pouco qual a diferença entre os Três Coringas:

O Coringa Criminoso é baseado na versão original do personagem, criado por Bob Kane, Bill Finger e Jerry Robinson e que estreou na revista Batman 01, de 1940, mais ou menos, um ano após a estreia do cavaleiro das trevas. Este Coringa, segundo Fabok, será um gênio do crime, frio e metódico. O artista diz que, na Revista original, vemos a alternância de quadros que mostram o vilão sério com outros nas quais abre um sorriso imenso, cheio de dentes; mas que julgavam que os quadros com ele sério eram ainda mais assustadores.

Então, para The Tree Jokers, escolheram mostrá-lo sempre sério, sem rir.

O Coringa Palhaço é baseado na versão mais cômica do vilão, a partir do fim dos anos 1940 e dali a 20 anos, na qual a pressão da DC Comics por histórias mais leves e a censura à violência fizeram o Coringa ser um criminoso galhofeiro, que criava “pegadinhas” e armadilhas. Aparentemente, essa versão inclue também aquelas histórias clássicas dos anos 1970.

Por fim, temos o Coringa Comediante, que é a versão da Era Moderna dos quadrinhos e é um vilão completamente psicótico e maligno, que ri o tempo todo. É o Coringa de histórias como A Piada Mortal e Morte na Família, publicadas em 1987 e 1988, e que são as duas mais lembradas do vilão, com grandes impactos na cronologia do Batman, na qual deixa Barbara Gordon aleijada e mata o Robin Jason Todd, respectivamente.

Na cronologia atual, Barbara Gordon voltou a andar e é de novo a Batgirl, enquanto Jason Todd voltou à vida e agora é o Capuz Vermelho. Ambos os personagens coprotagonizam Three Jokers ao lado do cavaleiro das trevas e a história deve explorar os impactos emocionais sofridos por eles.

Fabok ainda diz ao Newsarama que ele e Johns optaram por deixar a história o mais acessível possível a qualquer leitor, de modo que, apesar de estar situada na cronologia corrente da DC Comics, se fica apenas nos elementos construidores da trama em si e que tudo o que o leitor precisa saber é explicado nas primeiras páginas.

É um movimento importante num momento em que cada vez menos gente lê os quadrinhos ao mesmo tempo em que os personagens nunca foram tão populares por causa do cinema. Mas isso ocorre porque os 80 anos de cronologia da DC Comics torna o exercício ininteligível mesmo para aqueles que sabem um bocado do universo da editora.