Banda seminal do movimento punk britânico, o Sex Pistols vai ganhar uma série de TV chamada Pistol, dirigida por Danny Boyle (Quem quer ser um milionário? e Yesterday) e que deve estrear no dia 31 de maio no FX no Reino Unido, sendo distribuído pelo Hulu nos EUA e no Disney+ no resto do mundo. Para promover o programa, a Universal Records irá lançar no dia 27 de maio uma nova coletânea da banda, The Original Recordings, com 30 faixas. E foi contra esses dois anúncios que se manifestou o ex-vocalista do grupo, John Lydon, que na época da banda atendia pelo nome de Johnny Rotten. As informações são do Loadwire.

Jones, Cook e Lydon: disputa judicial.

Como o HQRock já havia noticiado em agosto do ano passado, Rotten/Lydon entrou na Suprema Corte britânica contra os outros dois ex-membros do grupo, o guitarrista Steve Jones e o baterista Paul Cook, porque a dupla concordou com a produção da série biográfica dos Pistols, que surfa na tendência de sucesso inaugurada por Bohemian Rhapsody (sobre o Queen) e Rocketman (sobre Elton John). A série é baseada no livro autobiográfico de Jones, Lonely Boy: Tales from a Sex Pistol, lançado em 2017.

Lydon reclama que o livro o trata sob uma luz não favorável e que a série não poderia ser realizada sem sua autorização, porém, a Suprema Corte usou como base um acordo judicial realizado pelos ex-membros da banda (Lydon incluso), em 1998, que define que as decisões criativas e de licenciamento sobre o legado musical do conjunto seriam decididos por maioria simples. Com dois a favor e Lydon contra, seu caso é perdido.

Lydon (Rotten) e Jones nos Sex Pistols em 1977.

Ainda assim, apesar de ter perdido o caso judicial – que ele alega lhe deixou em dificuldades financeiras pelos custos do processo e por ter o cuidador da esposa, que sofre do Mal de Alzheimer – Lydon publicou uma nota em suas redes pessoais reclamando do lançamento da série e comunicando que não aprovou o conteúdo da coletânea, que está sendo lançada à sua revelia.

A coletânea faz um compilado bastante completo da obra do Sex Pistols, que lançou um único álbum, além de compactos e algumas outras gravações avulsas. O track-list é o seguinte:

1. “Pretty Vacant”
2. “God Save the Queen”
3. “Bodies”
4. “No Feelings”
5. “I Wanna Be Me”
6. “Anarchy in the U.K.”
7. “Submission”
8. “No Fun”
9. “(I’m Not Your) Stepping Stone”
10. “Holidays in the Sun”
11. “New York”
12. “Problems”
13. “Lonely Boy”
14. “Silly Thing’
15. “Something Else”
16. “C’Mon Everybody’
17. “Satellite’
18. “Did You No Wrong”
19. “Substitute’
20. “My Way”

O Sex Pistols foi uma banda formada em Londres em 1975, pela união de Johnny Rotten (vocais), Steve Jones (guitarra), Glen Matlock (baixo) e Paul Cook (bateria). Fazendo um rock simples, sujo e barulhento, catalisando o Movimento Punk na Inglaterra, virou um fenômeno de público nas periferias de Londres e lançou os singles, Anarchy in the UKGod saves the Queen, para em seguida, expulsar o baixista Matlock e o substituir por Syd Vicious, que se transformou em um ícone do Movimento Punk, apesar de mal saber tocar.

Sex Pistols: radicalismo.

Expulsos de duas gravadoras antes de lançarem o álbum Never Mind the Bullocks, lançado em 1977, os Sex Pistols encerraram as atividades em 1978, em meio à sua primeira turnê pelos Estados Unidos. Vicious terminou preso, acusado de matar a namorada, e ao ser libertado sob condicional, morreu por uma overdose em 1980. Rotten passou a usar o nome verdadeiro, John Lydon, e continuou em evidência na banda PIL. Os Sex Pistols se reuniram algumas vezes para realizar turnês – trazendo Matlock de volta – a última delas em 2008.