Isto não é spoiler: o trailer de Star Wars – A Ascensão Skywalker revelou a participação do Imperador Palpatine, o supremo vilão, no Episódio IX da saga espacial criada por George Lucas. Mas agora vem outra revelação: outro personagem clássico irá retornar no filme, diz o Making Star Wars.

Estamos tratando de suposições, mas também de potenciais spoilers. Por isso, só siga a leitura se não se importar em saber a trama do filme antes de assisti-lo.

Ainda aqui? Pois bem…

O MSW afirma que ninguém menos do que Han Solo irá aparecer de novo em A Ascensão Skywalker. O clássico personagem, interpretado por Harrison Ford, morreu em O Despertar da Força, o primeiro capítulo da trilogia que agora se encerrará.

A velha geração…

O velho contrabandista não retornará como um Fantasma da Força, pois não era um sensitivo à Força e muito menos um Jedi. Mas tampouco será uma cena de flashback.

Segundo várias fontes do site, Han Solo aparecerá em um tipo de sequência de sonho ou visão: seu filho, Ben Solo, que o matou e agora usa o nome de Kylo Ren, irá consultar o elmo queimado de seu ídolo, seu avô materno, Darth Vader, o grande vilão da Trilogia Clássica de Star Wars, em busca da revelação das verdadeiras trevas. Mas Luke Skywalker, seu tio e grande mestre Jedi, filho de Vader, aparece como um Fantasma da Força e interfere no devaneio, fazendo Han aparecer para o filho, como uma alma penada.

Han diria ao filho que nunca é tarde para se redimir de seus crimes e que o perdoa pelo o que aconteceu.

A sequência pode indicar uma regeneração de Kylo Ren?

É possível! Como anota o próprio MSW, Ben Solo inicia O Despertar da Força como um vilão completo e promissor, mas ao longo da trama, quando conhece a potencial Jedi Rey e após matar o próprio pai, Kylo Ren começa a se questionar e ser tomado pela dúvida, terminando o filme em um tipo de limbo.

A dúvida prossegue em Os Últimos Jedi, com Kylo Ren se questionando novamente, e se voltando contra seu mestre, o Supremo Líder Snoke, matando-o também, e tomando o poder da Primeira Ordem, após tentar convencer Rey a seguir ao seu lado.

Embora sua cartada ao final do longa pareça uma queda definitiva à vilania – ele enfrenta Luke Skywalker que o derrota sem lhe dar um único golpe – ao longo do filme a dúvida lhe acompanha tanto quanto, seja ao vacilar com Rey, seja ao não conseguir matar a própria mãe, Leia Organa (irmã de Luke) quando teve a oportunidade.

O diretor J.J. Abrams é um grande fã de Star Wars e seu O Despertar da Força guarda grandes simetrias (mais do que deveria, é verdade) com Uma Nova Esperança (o filme original da saga, de 1977). Ele não dirigiu Os Últimos Jedi (que ficou com Rian Johnson) e nem iria conduzir o Episódio IX (que seria de Colin Trevorrow, que desistiu), mas já que assumiu A Ascensão Skywalker, eu não apostaria na eliminação das simetrias.

Isso dito, eu apostaria que Kylo Ren irá realizar o mesmo ciclo de redenção que Darth Vader cumpriu em O Retorno de Jedi: aprendemos em Uma Nova Esperança que o pai de Luke, Anakin Skywalker, foi um grande Cavaleiro Jedi e exímio piloto, e é dito que Darth Vader o matou; mas em O Império Contra-Ataca, o Imperador demanda que o Lorde Negro de Sith se encarregue de converter “o jovem Skywalker” ao Lado Sombrio da Força, e quando os dois lutam, Vader revela para Luke que é seu pai; em O Retorno de Jedi, Luke descobre que Leia é sua irmã gêmea, e toma para si a missão de redimir o pai, dizendo que, por meio da Força, tinha sentido a bondade nele.

Ao final, Luke estava certo: enquanto o Imperador Palpatine usa a tênue relação pai e filho para forçar Luke a atacá-lo, ceder à raiva e, com isso, iniciar sua queda ao Lado Sombrio da Força, tal qual ocorrera com Anakin, Luke se deixa pegar apostando que seu pai irá reagir. E quando Luke é brutalmente espancado pelo Imperador, Vader toma o mestre nas mãos e o mata ao lançá-lo no núcleo de energia da segunda Estrela da Morte. O gesto o fez receber uma grande descarga de energia que termina por comprometer seu corpo robótico e levá-lo à morte, redimido, nos braços do filho.

Anakin Skywalker se revela…

(Um parêntese: a segunda trilogia de Star Wars se dedicou justamente a mostrar a juventude de Anakin Skywalker e o modo como ele, influenciado e manipulado por Palpatine, se deixa seduzir pelo Lado Sombrio da Força e se transforma em Darth Vader, ao mesmo tempo em que as artimanhas de Palpatine levam à queda da República e à ascensão do Império; terminando com Anakin tendo o corpo destroçado e precisando de um corpo robótico para sobreviver).

J.J. Abrams não irá resistir a esse apelo. Os rumores de A Ascensão Skywalker já disseram que a Primeira Ordem, Kylo Ren e seus Cavaleiros de Ren não são a ameaça principal do filme, mas que tal papel seria ocupado por estranhas criaturas vindas da Orla Exterior, as zonas desconhecidas nos confins da Galáxia.

Por outro lado, o trailer já apresentou pelo menos um outro grande oponente: o próprio Palpatine, cuja risada maligna encerra o primeiro trailer. Em A Vingança de Sith, o então Chanceler Máximo já havia dito a Anakin que um velho mestre Sith (pretensamente, seu mestre) conseguiu enganar a morte e usa a informação como uma barganha para o Jedi, que é assombrado pelas visões de que a esposa irá morrer. No fim das contas, é o próprio Vader quem termina matando a mãe de Luke e Leia, que ele nem chega a tomar conhecimento do nascimento.

A partir disso, podemos presumir que Palpatine está vivo. Não no sentido exato da palavra, mas numa versão maligna do Fantasma da Força, que são Jedi extremamente evoluídos e poderosos que conseguem se manter em contato com os vivos após a morte, pois sua consciência se torna parte da Força. O mestre de Anakin e Luke, Obi-Wan Kenobi, se transforma em um Fantasma da Força em Uma Nova Esperança; assim como o Mestre Yoda, que termina o treinamento de Luke, em O Retorno de Jedi. Redimido de seus males, Anakin também vira um.

Em O Despertar da Força, quando Rey toca o sabre de luz que pertenceu a Anakin e Luke é assombrada por flashes do passado e do futuro, enquanto a voz de Obi-Wan Kenobi é ouvida lhe dizendo: “Rey, esses são apenas seus primeiros passos”. Em Os Últimos Jedi, enquanto Luke vacila a treinar Rey, Yoda aparece para o velho padwan, o convencendo do contrário.

O próprio Luke já narra o trailer de A Ascensão Skywalker e ele deve aparecer no filme – não se sabe qual o tamanho de sua participação e esperamos não se resumir à esta cena da visão de Kylo Ren e Han Solo.

Mas Palpatine também deve ser um Fantasma da Força maligno que tal qual os Sith são invisíveis aos Jedi, se manteve oculto de Luke desde sua “morte” 30 anos antes de O Despertar da Força.

Este inimigo comum tanto à Primeira Ordem quanto à Resistência deve ser um fator decisivo na trama de AAS. E J.J. Abrams manterá sua lógica de simetria ao fazer Kylo Ren se sacrificar pelo bem e se virar ao lado dos mocinhos no ato final.

Star Wars: The Last Jedi Kylo Ren (Adam Driver) Photo: Lucasfilm Ltd. © 2017 Lucasfilm Ltd. All Rights Reserved.

O título A Ascensão Skywalker pode significar muitas coisas: não poucos apostam que será um personagem adotando este nome. Talvez Rey, a grande heroína da nova saga. (E a trama de seus pais misteriosos pretensamente resolvida numa canetada em Os Últimos Jedi também deve retornar com outros contornos). Outros pensam que como Luke decretou o fim dos Jedi em Os Últimos Jedi, Rey dará origem a uma nova ordem com um novo nome: Skywalker, o que faz bastante sentido. A lógica do fim de OUJ era essa: a aparição final de Luke contra Kylo Ren serviu como um gesto para despertar a esperança na Galáxia e até já vemos um ou outro sensitivo à Força influenciado pelo heroísmo do velho mestre Jedi. Caberá a Rey treiná-los!

Mas pode ser outra coisa também. Pode ser que Ben Solo resolva se redimir, assumir o nome do tio e do avô – a mãe fora criada por outra família por isso, sempre se chamou Leia Organa, nunca Skywalker – e abandonar o título de Kylo Ren em prol de Ben Skywalker ao final de AAS, para ajudar a derrotar Palpatine.

Façam suas apostas!