A revista Men’s Health dedicou sua nova capa a Henry Cavill e na entrevista o ator britânico cravou: ele ainda é o Superman e nós o veremos de novo. Assim esperamos!

A reportagem cobre a carreira do ator e dá destaque ao seu amor pelos exercícios (é a Men’s Health, né?), e traz até algumas informações inéditas como a de que Cavill ficou em segundo lugar na corrida pelo papel de James Bond em 007 – Cassino Royale, de 2006, vencido por Daniel Craig (que fará seu último filme no papel em 007 – Sem Tempo para Morrer, que estreia em abril de 2020). Sabia-se que Cavill tinha concorrido, mas não que chegara tão perto.

Mas a revista não se esquiva de falar sobre o homem de aço. Para Cavill, ainda não lhe foi permitido explorar todo o potencial de Kal-El nos cinemas e ele quer isso.

A capa ainda está em meu closet. Ainda é minha.

Com sua típica honestidade, Cavill avalia cada um dos três filmes em que interpretou Clark Kent:

O Homem de Aço: Um grande ponto de partida. Acho que se eu voltasse, não mudaria nada.

Batman vs Superman: Muito mais um filme do Batman, e o reino sombrio é ótimo para um filme do Batman.

Liga da Justiça: Não funcionou.

Cavill terminou sendo o mais prejudicado por Liga da Justiça, pois quando das extensas refilmagens que vieram na esteira da mudança do diretor Zack Snyder para o substituto Joss Whedon, o ator já estava gravando Missão Impossível – Efeito Fallout, ostentando um bigode e impedido por contrato de tirá-lo. Tentaram apagar o bigode digitalmente e o resultado final é horroroso, pois não houve tempo de finalizar os efeitos especiais.

A revista ressalta que Liga da Justiça arrecadou mais de meio bilhão de dólares, porém, com 600 milhões de bilheterias, o filme se tornou uma das mais baixas arrecadações dos filmes da DC Comics, ainda mais porque a Warner esperava ir bem além do 1 bilhão, afinal, estava reunindo pela primeira vez o time Superman, Batman e Mulher-Maravilha (já juntos em BvS) com Aquaman, Flash e Ciborgue. Mas não funcionou. Veja mais aqui!

No rescaldo negativo de Liga da Justiça, houve uma reviravolta com os filmes da DC, como estúdio investindo em personagens secundários com sucesso (Aquaman, Shazam, Coringa, Aves de Rapina) e as notícias de que Ben Affleck não seria mais o Batman – e o homem-morcego ganhando uma versão jovem (e talvez no “passado” com o ator Robert Pattinson e o diretor Matt Reeves em The Batman, para 2021). Também vieram notícias de Cavill pendurara a capa ou fora obrigado a isso. E que não veríamos mais o homem de aço tão cedo, com a Warner preferindo os menos conhecidos e a Supergirl, sua prima dos quadrinhos.

O ator desmente os rumores de que estava fora do papel, e diz que não ficará parado enquanto a Warner Bros. desenvolve novos filmes para seu universo (inclusive produtos diferenciados como Coringa e o vindouro Aves de Rapina estrelado pela Arlequina):

Eu não desisti do papel. Há muita coisa ainda a dar pelo Superman. Um monte de narrativas a desenvolver. Um monte verdadeiras e reais profundidades à honestidade do personagem que quero mergulhar. Eu quero refletir os quadrinhos. Isso é importante para mim. Há muita Justiça a ser feita pelo Superman. O status é: você verá!

Estamos torcendo por isso!