roger-waters-sp-fabio-tito-g1-g1-q98a7764O Brasil é um país complexo. Na noite de ontem, o compositor britânico Roger Waters, ex-líder da lendária banda de rock Pink Floyd, veio ao país para uma turnê de oito shows cujo título é Us + Them tem como objetivo promover seu álbum mais recente, Is This The Life We Really Want?, marcado pela crítica política à ascensão de uma nova direita (radical) no mundo que tem em Donald Trump sua figura planetária mais forte. Tocando para 45 mil pessoas no Allianz Parque, Waters foi hostilizado pelo público brasileiro quando disse que o candidato à presidência Jair Bolsonaro é um neofascista e também quando exibiu a hastag #EleNão no telão. O que está acontecendo?

Toda a tônica do trabalho de Roger Waters, tanto no Pink Floyd quanto em sua carreira solo, foi política. Para deixar claro, à exceção do primeiro álbum da banda, The Pipes of the Gates of Dawn (1967) – quando ainda a liderava o cantor e guitarrista Syd Barrett, que foi expulso porque o uso abusivo de drogas o deixou incapacitado de tocar – durante toda a sua estada no Pink Floyd, entre 1967 e 1985, as canções de Waters representaram cerca de 75% do material do grupo. O músico sempre se colocou à esquerda e suas músicas e letras sempre foram carregadas no tom crítico. E o fascismo sempre foi um alvo certo: Waters nasceu em 1944 e nunca conheceu o pai, pois este era soldado na II Guerra Mundial e morreu na luta contra a Alemanha nazista. 

roger-waters-palco-us-and-them-turne
O palco reproduz a Estação de Battlesea, de Londres, que aparece na capa do álbum Animals, de 1977: símbolo do poderio capitalista. 

Obras como os álbuns Darkside of the Moon (1973), Animals (1977) e The Wall (1979) são carregadíssimos  de críticas sociais, políticas e denúncias ao fascismo e à violência. Sim, a violência é outro alvo constante. The Wall tem várias canções que exibem o absurdo de um discurso de ódio e violência que se forma dentro da ideologia fascista. E vale a ressalva: embora as letras de Waters usem algumas imagens e metáforas, não são literatura de difícil compreensão. As mensagens são claras e diretas.

 

O que surpreende, de verdade, é o público de São Paulo ignorar isso. A Folha de São Paulo diz que, após o show, alguns “fãs” comentavam: “Estava tão bom até ele falar de política”. Como assim, gente? TODA A OBRA do Pink Floyd de Roger Waters é política! O compositor é um ator político desde sempre, em suas músicas, letras e declarações! O tema da turnê é política, o tema do disco novo é política. As músicas são sobre política!

roger waters elenão SP show
Usuários do Twitter postam imagens do #EleNão no show de Roger Waters. 

Em seu concerto, Waters primeiro exibiu a hastag #EleNão no telão no fim da canção Eclipse, de Darkside of the Moon, e houve vaias (principalmente vindas da pista premium), gritos e xingamentos. O UOL diz que a mensagem apareceu de novo em Mother, do The Wall, e de novo, xingamentos, vaias, gritos e, também, gestos de aprovação.

 

rogerwaters brasil 2017 promoçãoO site diz que Waters teve que parar o show em alguns momentos por causa da gritaria. E teria discursado:

Sou contra o ressurgimento do fascismo. E acredito nos direitos humanos. Prefiro estar num lugar em que o líder não credita que a Ditadura é uma coisa boa. Lembro das ditaduras da América do Sul e foi feio… (Veja mais em https://entretenimento.uol.com.br/noticias/redacao/2018/10/10/roger-waters-chama-bolsonaro-de-neofascista-e-cria-guerra-fria-em-show-em-sp.htm?cmpid=copiaecola)

roger waters new fascism list SP show
Usuários do Twitter exibem a lista de neofascistas com Bolsonaro. 

Depois, o telão exibiu uma lista de neofascistas que estão emergindo no mundo e, claro, o nome de Jair Bolsonaro estava lá representando o Brasil.

 

Os apoiadores chiaram, vaiaram e xingaram, mas o que eles queriam? Bolsonaro defende liberar as armas, diminuir o Estado, cobrar impostos dos pobres, acabar com a educação pública (que seria transformada em a distância), acabar com o 13º salário e o abono de férias; isso sem contar que inflama um discurso de ódio, que demoniza os adversários políticos (só ele é “bastião” da “honestidade” ou “o homem certo”, discurso típico dos autoproclamados profetas, e estes devem ser desconfiados e até temidos!) e ainda fala abertamente em perseguir negros e homossexuais em prol de uma pretensa defesa da “moral e dos bons costumes”.

Roger-Waters-em-SP telãoMuito estranho defender bons costumes pregando matar os outros (“bandido bom é bandido morto”, ele diz; falou numa palestra para empresários que a política iria ser autorizada a metralhar “os bandidos” na favela – quero muito saber como farão isso: vão entrar na favela e perguntar às pessoas “você é bandido?” e quem responder “sim” leva bala?). O fato é que a Bíblia ensina o “não matarás” como um dos 10 Mandamentos. Jesus Cristo prega uma mensagem de paz e Bolsonaro quer matar todo mundo que ele acha que deve morrer. Isso é ser cristão? Isto é ter uma boa moral? Este é o cidadão de bem?

Rodou nas redes esses dias um joguinho em que Bolsonaro mata negros e gays na rua.

Bom, gente, isso é fascismo! O fascismo é uma política do ódio, do extermínio. É o que a Alemanha fez na II Guerra, eliminando os judeus em campos de concentração.

roger waters SP perfilVoltando a Roger Waters e seu show, repetimos: o que o público esperava?

Alguém ficou mesmo surpreso porque o compositor “falou de política”? O que você esperava? Do que você acha que falam as letras do Pink Floyd?

Se as pessoas não sabiam disso, então, abre-se aqui uma outra discussão. Afora um ou outro desavisado que tem dinheiro o suficiente para ir a um show (inclusive, ficando na tal da pista premium) só para “ver qual é”; o que passa na cabeça de um “fã” que “gosta” do Pink Floyd o suficiente para se ver motivado a ir ao concerto de seu ex-líder, baixista e compositor, e simplesmente não sabe do que se trata todo aquele material?

Esse ouvinte nunca questionou o que estava ouvindo? Nunca leu as letras? Nunca leu sobre a biografia desse artista? Ou viu suas declarações?

O que está acontecendo?

Conheça a Discografia Completa do Pink Floyd no Especial do HQRock

Saiba Tudo sobre a gravação do Darkside of the Moon do Pink Floyd, um dos discos mais vendidos da história!

Saiba Tudo sobre a gravação do The Wall do Pink Floyd, o mais impactante disco da carreira da banda.